Tânia Correia

Mestre em Psicoterapia Cognitiva-Comportamental, Lisboa Menina desde 1990, mãe desde 2015, mulher desde algures pelo meio até agora. Foi com base nestas três componentes – menina, mulher e mãe – e após descobrir o feito hercúleo que pode ser equilibrá-las que criei um blogue/página do facebook – a 3m’s. A entrada no mundo da maternidade rapidamente se revelou menos “purpurino-brilhante” do que havia imaginado. O cansaço, as incertezas, a dificuldade em lidar com a ambivalência de sentir vontade de seguir o meu instinto ou de respeitar tudo aquilo que me haviam incutido, as emoções contraditórias em relação a um momento que supostamente deveria ser feliz - tudo isto me levava a sentir uma mãe menos capaz. Além disso, o meu M de mulher havia perdido espaço, vivia nas sombras, reprimido, o que também trazia sofrimento. Surpreendentemente, não estava só, éramos muitas a sentir o mesmo, a precisar de alguém que validasse as nossas preocupações, que nos permitisse viver todos os nossos M’s sem culpa, que nos desse um abraço e afagasse a cabeça enquanto sussurrava ao ouvido que não temos de ser perfeitas – é esta a pessoa que tento ser e a marca que procuro deixar nos meus (nossos) artigos. Recentemente desenvolvi um programa de intervenção que transporta para a esfera real muito daquilo que ao longo do tempo foi partilhado na 3m’s. Poderei ser uma mãe que se sente completa, com disponibilidade para a sua prol, se não cuidar de mim enquanto mulher? Poderei ser uma mulher feliz se não me sentir uma mãe livre? Poderei viver os meus papéis de mulher e mãe ignorando a menina (a infância) que continua a viver em mim? Estas e outras questões são respondidas em grupo no programa 3m’s. Acompanhe-nos no facebook: https://www.facebook.com/3msmeninamulhermae/ Visite-nos no blogue: https://3mssite.wordpress.com/ Envie-nos um e-mail: 3msmeninamulhermae@gmail.com

Toda a gente vê muita coisa, só vocês vêem o essencial.

A maternidade tem esta faceta curiosa – quase ninguém está disponível para te elogiar nos

Na vida tudo tem um tempo

Porque na vida tudo tem um tempo e eu quero viver cada segundo deste nosso

Não tenhas medo de …

Não tenhas medo… De olhar para a barriga a crescer e de sentir que ainda

Sem tempo para ser mãe

Sem tempo para ser mãe Provavelmente sempre que te imaginavas a ser mãe projectavas-te a

Os pedidos de desculpa não tem prazo de validade

Os pedidos de desculpa não tem prazo de validade Quando contei à minha família que

Pedir desculpa aos filhos não nos rebaixa, eleva-nos.

Pedir desculpa aos filhos não nos rebaixa, eleva-nos. Há quem diga que as crianças não

Tão crescida a usar chucha, que feia!

A nossa filha já foi alvo deste comentário várias vezes. Geralmente vira a cara, encosta-se

A maternidade é como a idade – bonito é fingir que não passamos por ela

A maternidade é como a idade – bonito é fingir que não passamos por ela

As crianças não são feias, más, nem tão-pouco parvas

“Esta é má e fria, não gosta de ninguém” – foi assim que uma mãe

A culpa é da mãe

Se escreverem a palavra maternidade num qualquer motor de busca irão reparar que a palavra