Avaliar a criança em terapia

Avaliar a criança em terapia

Avaliar a criança em terapia: o que pode a família esperar?

Como pode ser feita uma avaliação quando se contacta um terapeuta?

Que ferramentas tenho, enquanto terapeuta, para trabalhar a minha avaliação da criança?

Será a observação considerada uma forma de avaliação?

Como o terapeuta vai avaliar a minha criança?

Com que dados vai perceber o que ela tem?’ 😊

Estas são dúvidas frequentes quanto à avaliação em terapia quer da família, quer dos profissionais de educação que se envolvem de corpo e alma, quer também de terapeutas que estão no inicio da sua atividade profissional e que procuram definir a sua forma de trabalhar (avaliar e intervir).

Diria, com base na minha experiência, que temos ao nosso dispor ferramentas determinantes para que o nosso plano de intervenção seja o mais adequado à criança:

👉A entrevista à família e sempre que possível à escola é determinante para percebermos:

  • como a criança está em cada um dos contextos;
  • quais as dificuldades sentidas em cada contexto;
  • as suas potencialidades;
  • a forma como se relaciona com os intervenientes em cada contexto;
  • as resposta que obtém de cada um deles e como é o seu comportamento.

👉 Anamnese

A Anamnese é determinante para percebermos o caminho percorrido pela criança e tantas, mas tantas vezes, um bem precioso para entendermos muito da forma como os adultos veem a criança.

👉 As escalas/instrumentos de avaliação

São determinantes para, seguindo as dificuldades referidas pela família/escola, perceber essas mesmas dificuldades e relacioná-las com as várias áreas do desenvolvimento da criança, tal como, perceber as suas áreas fortes.

👉 A observação.

Sim, observar! Já por várias vezes tive esta conversa com colegas de profissão meus. A observação é também uma peça chave na avaliação da criança. E observar não é apenas ver, é ver e procurar compreender e relacionar todas as tuas observações, sentindo e refletindo a observação.

🌈Os pais e a escola são um excelente apoio no decorrer do processo da avaliação. Assim, quando a iniciam, é essencial explicar aos pais e à escola:

  • a sua importância;
  • de que forma será realizada;
  • e quais as mais valias de todos contribuirmos com autenticidade, verdade e clareza para a mesma.

Psicomotricista e autora do Blog Mais que Especial, na cidade do Porto. Conhecer a Psicomotricidade foi conhecer um grande amor.
Técnica Superior de Reabilitação Psicomotora

À paixão pelo seu trabalho com crianças com necessidades especiais aliou-se a paixão pela parentalidade nas Necessidades Especiais.

Gostou deste artigo? Deixe a sua opinião!

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.