Como aprender a meditar em quatro passos

Como aprender a meditar em quatro passos

Como aprender a meditar

Hoje vamos falar sobre como meditar, como aceder a esta prática que parece tão difícil e talvez seja mesmo tão fácil.

Antes de mais, esqueça todas as ideias preconcebidas sobre meditação.

Abandone a imagem das poses em que as pessoas se colocam, algumas até contorcionistas, o cheiro de incenso, a mãos colocadas numa posição meio Zen, roupas específicas e sobretudo, que esta é uma prática apenas para algumas pessoas, para as pessoas consideradas mais “esotéricas”…. Todo esse conjunto de falsas crenças que vamos criando à cerca deste assunto, são para serem deitadas fora.

Nada disto é verdadeiro e muito mais importante, talvez nada disso tenha a ver consigo e temos sempre que encontrar a forma e o meio que se adequa a cada um de nós. Outro aspeto muito importante a reter é que meditar é possível em todas as idades, desde que o tempo e a forma como estão a ser guiados seja adequada à idade da pessoa. Como terapeuta, tenho crianças pequenas de 4/5 anos que fazem meditações diárias e tem sido uma ajuda muito grande em questões como transtorno de comportamento, PHDA, ansiedade, etc…

Se pesquisar “como meditar”, vai encontrar inúmeras estratégias e práticas e compatíveis com as suas atividades quotidianas.

Se achar que mesmo assim não tem tempo para “meditar”, preocupe-se apenas em respirar. Saber respirar é a base de qualquer trabalho de relaxamento, consciência corporal e equilíbrio emocional. Para respirar também há várias linhas ou escolas. Preocupe-se apenas em respirar profundamente, conseguindo passar com a sua inspiração o diafragma, que muitas vezes está bloqueado e contraído e levar o ar até à parte baixa do seu abdómen e quando expirar, trazer o ar de lá debaixo até cá a cima, expirando sempre mais, se possível o dobro do tempo que levou a inspirar. Se for possível inspire pelo nariz e expire pela boca. Lembre-se que quando inspira o seu corpo expande-se e quando expira ele retoma a posição natural.

Aprender a meditar

Nas palavras da própria Monja Coen (monja Budista), “meditar é independe da religião ou da tradição espiritual que cada pessoa segue. Meditar serve para todas as pessoas, não tem nada a ver com Oriente ou Ocidente. É uma capacidade da mente humana. É uma condição humana que foi pouco desenvolvida e que agora estamos a redescobrir”.

Se estiver realmente disposto a aprender a meditar, não existem exigências maiores. Basta que esteja ciente dos benefícios e tire um tempo, durante seu dia, para experimentar a forma que mais se adequa a si.

Não faltam depoimentos de praticantes muito satisfeitos com os benefícios da prática de meditação. Alívio de dores crónicas, melhoria do sono, aumento na capacidade de concentração, redução da ansiedade, stress e sintomas de depressão, são apenas alguns dos benefícios que atualmente todos sabemos que advêm desta prática.

Inclusive a ciência confirmam os efeitos positivos da meditação!

Então, como aprender a meditar?

É importante ressaltar que existem vários recursos digitais que podem ser utilizados, mas se não quiser, siga apenas as dicas que deixamos para si e comece a meditar hoje mesmo!

1.   Prepare-se para meditar

Desligue a televisão, coloque o telemóvel no silêncio, procure por um lugar tranquilo. Tudo para ficar distante de barulhos, distrações ou possibilidades de interrupção.

Pode diminuir a luz e, se desejar, adicionar uma música ambiente, em volume baixo, que lhe traga tranquilidade.

2. Reserve um momento específico para a meditação

Uma vez que os exercícios pedem concentração e periodicidade, não há como meditar sem um compromisso com o tempo.

Ainda que não pratique todos os dias, fixe horários ou situações para construir o hábito. Por exemplo antes de dormir, logo ao acordar, após o banho, ao encerrar os trabalhos do dia…

O momento que for mais conveniente!

3. Use um cronómetro

Para que a meditação funcione, a pessoa precisa entregar-se aos exercícios, sem a preocupação com o tempo.

É possível realizar sessões de 5 minutos, ou estender esse tempo até 30 minutos ou 1 hora. Faça o tempo que considere certo para si neste momento e tente ir aumentando o tempo de meditação com a prática. Para que nada atrapalhe o seu momento, coloque um cronómetro, eventualmente no seu telemóvel que sinalize quando o tempo chegar ao fim, ou simplesmente faça de acordo com o tempo da música.

4. Descubra uma posição confortável

Sentar em posição de lótus, é uma referência muito presente quando procuramos saber como meditar. No entanto, não é necessário assumir essa postura. Assuma a postura que for mais confortável para si, mas evite no início fazer deitado para não adormecer.

Não se esqueça que no início vai sentir dificuldade em permanecer quieto e que por vezes a sua mente vai estar em constante agitação, não critique nem se repreenda por isso, é normal! Simplesmente afaste os pensamentos e volte a focar-se na sua respiração e na música. Também acontece sentirmos o corpo todo a coçar, evite fazer esse movimento, mas se não for suportável, coce e volte a concentrar-se na sua meditação. Pode ser também que adormeça, se isso acontecer, recomece de novo no dia seguinte, sem stress e sem pressão, mas sobretudo não desista.

Espero que a prática de meditação ajude no seu equilíbrio físico e emocional….

Psicoterapeuta Corporal e responsável pelo Espaço CresSer.

Considero a psicoterapia como uma ferramenta fundamental no desenvolvimento pessoal, na qualidade de vida e de relação com os outros. A psicoterapia é para todos e não apenas para alguns.

Concorda com este artigo? Deixe a sua opinião!

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.