Como gerir as emoções de forma a agirmos em consciência

Como gerir as emoções de forma a agirmos em consciência

Como gerir as emoções de forma a agirmos em consciência

Nem sempre o que se quer é aquilo que é preciso para o momento.

Quando as crianças nos desafiam e nós só queremos levantar a voz ou a mão para fazermos exercer aquilo que acreditamos ser o respeito, a autoridade, a “ordem”, não significa que essa seja a reação precisa para o momento.

A verdade é que quando tudo se acalma depois dessa “explosão” (que pode ser leve ou extremamente pesada) conseguimos perceber e clarificar se aquele berro, aquelas palavras mais duras foram aquilo que era preciso no momento. Por vezes foram só o espelho daquilo que eram as nossas emoções no momento, levando tantas vezes ao sentimento de culpa.

Na verdade, quando queres falar mais alto pode não ser porque o grito é o que é preciso. Podes querer sentir que estás a controlar a situação. Estar a garantir a segurança e o bom caminho da criança ou jovem com quem estás a falar. Outras vezes, é só porque precisas de uma pausa para ti.

Como gerir as emoções de forma a agirmos em consciência

A questão é a seguinte: será que do outro lado conseguem perceber através da tua explosão que, na verdade, é isso que precisas? Acredito que não. E desafio-te a pensar se também tu perceberias se fosse ao contrário.

Tudo advém da tua consciência, da gestão que fazes das tuas emoções permitindo-te clarificar aquilo que precisas vs aquilo que queres.

Lembra-te que a forma como ages não tem origem nos outros.

Tem origem na forma como te relacionas com os que te rodeiam. Com a forma como te conheces, geres emocionalmente e ages com clareza sobre qual o teu objetivo principal.

Nem sempre é fácil. É verdade.

Mas a consciência e o conhecimento sobre nós e a nossa conduta é meio caminho andado para uma mudança que, aliada ao compromisso e paciência, dá frutos.

Psicomotricista e autora do Blog Mais que Especial, na cidade do Porto. Conhecer a Psicomotricidade foi conhecer um grande amor.
Técnica Superior de Reabilitação Psicomotora

À paixão pelo seu trabalho com crianças com necessidades especiais aliou-se a paixão pela parentalidade nas Necessidades Especiais.

Gostou deste artigo? Deixe a sua opinião!

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.