Os Pais devem ter a noção de que os filhos não serão todos Ronaldos.

Os Pais devem ter a noção de que os filhos não serão todos Ronaldos.

Os Pais devem ter a noção de que os filhos não serão todos Ronaldos.

“Ou então, que sejam Ronaldos no trabalho, na persistência e na abnegação!”

Eu ganhava sempre o jogo!

Claro, a bola era minha.  Além disso, por sorte, os meus pais eram mais flexíveis nos horários, e eu podia ficar na rua até mais tarde.

Golo! Golo do Xanico! Eu ganhava sempre.  Até porque, às tantas, já não havia equipa adversária, já tinham ido todos para casa.

É fácil marcar numa baliza deserta. Principalmente se os postes são pedras.

Pelo país, em várias Escolas de Futebol, é triste ver alguns Pais a incentivarem os filhos, nos treinos e nos jogos. Bem, “incentivarem” não será a palavra mais correta. Há Pais que se transformam. Há uns que gritam. E gritam palavras que nem posso aqui dizer. E, talvez sem saberem, estão a fazer um péssimo trabalho. Colocam a criança no centro de tudo, como se não existisse mais mundo. Exigem do treinador que lapide aquele diamante em bruto. Só vêm faltas a favor.

Os Pais devem ter a noção de que os filhos não serão todos Ronaldos. Ou então, que sejam Ronaldos no trabalho, na persistência e na abnegação!

A sorte que eu tinha, não passava pelos só meus horários flexíveis. O meu pai sempre disse : “Não tens jeito nenhum para a bola!”. E isso fez-me bem. Elogiavam-me nas coisas em que era bom, principalmente se me esforçasse.

A psicóloga Carol S. Dweck, no seu livro Mindset : The New Psychology of Success, alerta para os perigos do elogio.

Carol S. Dweck ajuda a entender que:

– Há que centrar o elogio no esforço, no processo, e não na inteligência ou no “jeito natural”. No desporto, como noutras áreas da vida.

– Há que usar os erros como oportunidades. O desporto serve, em larga medida, exatamente para isto! Mas, demasiadas vezes, só se valorizam as vitórias, os golos e as defesas, numa precessão dos objetivos mais nobres.

– Há que ser arrojado nos objetivos. Há que sonhar. Mas o processo, a ética e o empenho, são o mais importante.

Rio-me sempre quando me recordo de uma entrevista ao jogador Mário Jardel, um grande ponta de lança. O jornalista perguntava se a irmã dele também tinha talento para o futebol. E ele responde: “Talento? Talento? Ela tá é lenta…”.

Os nossos filhos não podem ganhar sempre.

Nem podemos olhar para eles e pensar que vão ser o que não fomos, só porque tivemos uma lesão. Eles não podem ter talento para tudo, às vezes, como diz a irmã do outro, estão é “lentos”!

Eu ganhava sempre o jogo, mas sabia que não merecia. Isso fez com que treinasse muito. Na vida, porque no futebol, nunca teria hipótese.

Agora a minha filha mais nova? Áh, essa vai ser um Ronaldo… 😀

Gosto de iniciativas “sem tretas” e com alma. Como a Up to Kids, por exemplo.

A criação do Mundo Brilhante permite-me visitar escolas de todo o país e provocar os diferentes públicos para poderem melhorar. Agitamos. Queremos deixar marcas.

1 thought on “Os Pais devem ter a noção de que os filhos não serão todos Ronaldos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.