o mundo ao contrário

O mundo ao contrário. Consequência do covid ou da estupidez humana?

O mundo ao contrário.

O homem que apita para que o idoso que atravessa a passadeira ande mais depressa.

A senhora que tenta tirar o carro do estacionamento, mas ninguém a deixa sair do lugar porque estão todos com pressa de serem os primeiros a chegar… (ao céu?).

As pessoas na fila do banco que fingem não reparar na grávida que está ali de pé há tanto tempo quanto eles e quando o senhor da caixa repara ficam todos: “Ahhh desculpe nem reparei na barriga!”, “Achei que era apenas mais uma gorda!”… ;

A relação amor-ódio que fulana tem com alguém que parece ter mais sucesso do que ela.

Portugal ganha ou perde, mas: “O povo é sempre estúpido porque não percebeu que isto é apenas uma forma dos nossos governantes nos distraírem da realidade do país!” (?).

O homem caído na rua de barriga para baixo e que ninguém o acode, é um bêbado, drogado, doente… ninguém o acode! Ainda lhe passam por cima como se fizesse parte do passeio.

Os pais que se separam e utilizam os filhos como “arma de arremesso” e que não o conseguem ver.

Falam dos filhos como se fosse um peso enorme e usam essa “desculpa” para se ofenderem.

O teu filho está insuportável desde que veio de tua casa!”

“Está com más notas por tua causa!”

“Olha, pergunta isso à tua mãezinha porque ela tem a mania que sabe tudo!”

Os casais que se agridem física e psicologicamente, mas continuam juntos e no facebook são melhores amigos e suuuuuper apaixonados…

Pessoas sem dinheiro para pagar a conta da luz mas que tomam todos os dias o pequeno almoço fora. Ou fumam que nem uns cavalos. Ou continuam a andar naquele topo de gama XPTO porque lhes dá um ar afortunado.

Pessoas que se irritam com a felicidade dos outros.

Que não agradecem, mas querem mais.

Pessoas que não pedem desculpa, mas pedem tudo o resto.

Que não têm amor-próprio e não percebem porque é que ninguém gosta deles.

Pessoas infelizes que cantam a sua felicidade.

Pessoas que roubam quem tem pouco e não se sentem mal por isso.

Vejo pessoas boas, vejo boas intenções, pessoas que ficam verdadeiramente felizes com a felicidade dos outros, divórcios de gente crescida, pessoas bem formadas, etc. Tenho a felicidade de conhecer muitas dessas pessoas. Mas também vejo para além das fachadas. Não sou vidente, nem sou perfeita. Mas há coisas que continuo sem perceber…

Será que ser adulta é tomar consciência destas realidades ou será que o mundo está mesmo ao contrário?

Há tanta coisa que fica por dizer acerca deste assunto…

HAJA PAZ

imagem@enterprisecioforum

Inês de Santar é a segunda de seis irmãos. Em 2009 começou a escrever o seu primeiro romance e, em 2012, revela publicamente o seu gosto pela escrita, com a abertura da página Inês de Santar.

Como pais e educadores, haverá alguma forma de andarmos um passo à frente dos nossos filhos? Será isso necessário? Como fazê-lo?

3 thoughts on “O mundo ao contrário. Consequência do covid ou da estupidez humana?
  1. Seria tão bom olharmos para nós e vermos e assumirmos as nossas fragilidades e os nossos defeitos . Se o fizéssemos , além de ficarmos em paz connosco mesmos, conseguiríamos fazer os outros mais felizes.
    Tantas pessoas frustradas e infelizes a precisar de ajuda . É mesmo o mundo ao contrário…

  2. Realmente tem toda a razão. Há muita gente de mal com a vida e que tenta espalhar a sua mesquinhez e inveja sobre uma capa de soberba e imponência perante os outros. Mas temos mesmo que nos focar nas coisas boas.
    Obrigado por escrever o que muitos pensamos e sentimos.
    um Bem haja é à espera do novo livro.

Gostou deste artigo? Deixe a sua opinião!

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.