desfralde

desfralde

A magia do desfralde

A magia do desfralde

Todas as etapas de crescimento de um filho são importantes. Algumas são divertidas, outras cansativas e há ainda as que nos assustam.

Para mim, como mãe de primeira viagem, houve sempre dois momentos na minha cabeça que temi: a introdução de alimentos sólidos e o desfralde. Conheci de perto a angústia de se ter um filho que não come e pedia a todos os santinhos que no meu caso não fosse assim. Não foi, a Mariana sempre comeu bem e quando isso não acontece é sintoma de que algo se passa. Antes assim.

E, sem darmos bem por isso, aos vinte e dois meses da Mariana, começámos o desfralde. Pode ainda ser cedo, mas como ela mostrou bastante autonomia neste campo, decidimos, em parceria com as educadoras, experimentar. Se correr bem, maravilhoso. Se não correr tão bem há tempo. É assim que se pretende que esta fase corra: sem pressões, sem ralhetes quando não corre bem, apenas com toda a paciência do mundo.

Começámos há duas semanas e meia.

ARTIGO RELACIONADO
FRALDAS REUTILIZAVEIS – UM PASSO ATRÁS OU DOIS PASSOS À FRENTE?

Há duas semanas e meia que de quinze em quinze minutos pergunto “queres fazer xixi?”.

Há duas semanas e meia que temos o ritual de escolher as cuecas mais giras para levar para a escola.

Há duas semanas e meia que a minha filha, orgulhosa, mostra que não tem fralda.

Que nos chama às quatro da manhã, porque a vontade não tem horas certas e horas erradas.

Que se despede das suas necessidades e bate palmas pela pequena vitória que conseguiu.

Que, quando estou a deitá-la, me avisa que quer ir “tratar de um assunto muito rápido” antes de dormir.

Que a ponho com o redutor na retrete mil vezes por dia para evitar acidentes.

Que procuramos debaixo das saias das Minnie, dos Nenucos e todo um sem fim de bonecos, para chegarmos à conclusão que usam cuecas e não fraldas.

Que oiço elogios porque ela pede sempre e não se descuida na escola.

Que tenho o coração cheio de orgulho pela minha pequenina.

Que sei que pode ser uma fase passível de sofrer uma regressão, mas já valeu a pena ver o esforço dela.

Que percebo as palavras da minha mãe quando me falava da experiência que teve comigo e com o meu irmão.

Que entendo o stress do meu irmão quando vamos na rua e a minha sobrinha tem vontade de fazer alguma coisa e não há wc à vista.

Tem sido uma aventura.

Teve acidentes no primeiro dia, nos restantes tem sido pacífica.

A minha pequenina está a crescer.

E parece que o desfralde serviu de destrava línguas, porque ela começou também a falar muito mais.

É o meu bebé e tento não me esquecer disso.

Mas é o meu bebé crescido.

Que orgulho!

imagem@weheartit

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.