A verdade sobre ter um terceiro filho

A verdade sobre ter um terceiro filho

O primeiro filho

Quando temos o primeiro filho, sentimo-nos o centro do universo: nunca ninguém teve um bebé antes, e este é o evento mais importante na história do mundo.

Somos capazes de dormir uma sesta todas as tardes e passeamos orgulhosas de mão na barriga à espera do grande dia! Sentimo-nos calmas e estamos sempre a rir. Adoramos as más disposições de grávida porque é sinal de que o bebé está a crescer. Fazemos uma alimentação saudável, de preferência com produtos biológicos, tomamos as vitaminas todas e não bebemos álcool. Estamos informadas e avisadas. As pessoas fazem questão de nos contar as suas histórias sinistras de partos complicados. O nosso Obstetra fala connosco e seguimos os seus conselhos religiosamente.

A verdade sobre ter o terceiro filho

As pessoas desdobram-se para ajudar nas compras, dão-nos as roupas dos seus filhos que já não vão usar. E ficam, realmente, entusiasmadas com a tua gravidez. Todos querem tocar-nos na barriga. E perguntam-nos, onde quer que vamos “É o primeiro?” Quando dizemos que Sim recebemos um grande e caloroso sorriso de boas vindas a este mundo novo da maternidade. Dizem-nos que vai ser a melhor coisa que já nos aconteceu na vida. E nós acreditamos.

Devoramos toda a literatura da especialidade, assinamos a “Pais e Filhos” e outras revistas on line.

Montamos o quarto do bebé, planeamos como vai ficar, pintamos ou colocamos papel nas paredes. Passamos horas a investigar qual a melhor espreguiçadeira baloiço, o melhor sling e os melhores arneses. Protegemos todas as tomadas e esquinas da casa, mudamos os detergentes para um armário mais alto e que, para abrir a porta, é necessário inserir um código de 8 dígitos.

Cortamos cuidadosamente as etiquetas da roupa do bebé, e lavamos tudo duas vezes com um detergente super-XPTO orgânico, amigo do ambiente, e especial para a pele dos bebés.

O meu filho não vai usar chucha, não vai chupar no dedo, vai mamar para sempre.

Vou virá-lo todas as noites para não ficar com a cabeça achatada. Não vai assistir televisão até aos 8 anos, nunca vai ter telemóvel, nem piercings, e nunca vou deixar entrar brinquedos ou roupa dos desenhos da televisão em minha casa, como o Ruca ou a Dora.

A verdade sobre ter o terceiro filho

O segundo filho

Quando engravidamos do segundo filho, o mais velho é o centro do universo. Já nos esquecemos de todas as coisas de bebé, e só podemos gozar a gravidez à noite, quando o primogénito está a dormir.

Nunca mais dormimos durante o dia, porque o mais velho já deixou a sesta. Quando entramos no 2ª trimestre de gravidez parece que estamos grávidas de 6 meses. Sentimo-nos stressadas e gritamos muito. Adoramos as más disposições de grávida porque são um bom motivo para descansarmos um bocadinho. Comemos os restos do prato do primeiro filho, tentamos não beber álcool, e às vezes, lembramo-nos de tomar as vitaminas.

Ficamos saturadas com a informação e os conselhos.

As pessoas fazem questão de nos contar as suas histórias sinistras sobre os filhos mais velhos que fazem mal aos bebés. Esquecemo-nos de metade dos conselhos do nosso Obstetra.

Os amigos que já não querem ter mais filhos começam a “despejar”, em nossa casa, as coisas  de que já não precisam. Quer precisemos ou não. Todos querem tocar-nos na barriga. E perguntam-nos, onde quer que vamos, “É o primeiro?” Quando dizemos que Não, afastam-se com um ar desapontado…

Vamos buscar a literatura da especialidade, mas arrastamo-la por semanas sem sequer conseguir dar-lhe uma vista de olhos.

Recomeçamos a ler a Pais e Filhos, mas agora interessamo-nos por outros tópicos, tais como facilitar a adaptação do irmão ao bebé que vai nascer. “Expulsamos” o mais velho da cama de grades, sem cerimónia, e dizemos-lhe que agora é um crescido e, por isso, vai dormir numa cama de crescidos. Fazemos a “reciclagem” dos brinquedos de bebé para perceber os que ainda dão para aproveitar, lavamos os lençóis do berço, compramos uns autocolantes de parede e um par de fraldas de recém-nascidos. Está feito o quarto do bebé.

Olhamos para as espreguiçadeiras-baloiço, os slings e arneses, e questionamo-nos se vale a pena tirar aquilo da garagem.

O nosso filho mais velho já retirou todas as protecções das tomadas da casa e continua vivo, por isso não as repomos. Os detergentes estão debaixo do lavatório com um fecho anti-crianças.

Lavamos as roupas de bebé com detergente normal. Compramos um conjunto de bodies e deixamos perto do berço. De certeza que vai dar jeito. Eles só vão assistir à TV quando estivermos muito cansadas, resmungonas, ou a fazer o jantar. Eles só vão ter uma consola quando tiverem 3 anos. Nunca vão ter piercings. O Ruca e a Dora já fazem parte la de casa.

Já esquecemos tudo sobre planos de nascimento, e estamos ansiosas por aqueles 3 dias no hospital para fugir ao caos de nossa casa. Vai saber bem o descanso.

Carregamos o telemóvel e verificamos se a net funciona, pois pretendemos ficar toda a estadia no Facebook. Não vamos preocupadas com o parto, mas questionamo-nos quanto à amamentação. Levamos protectores de silicone e cremes para o peito. Pelos sim pelo não levamos a bomba e dois biberãos. Só por causa das tosses.

A verdade sobre ter o terceiro filho

O terceiro filho

Quando engravidamos do terceiro filho, o mais velho, em idade pré-escolar, e o segundo, até agora o mais novo, acham-se o centro do universo. Não sabemos que estamos grávidas até percebermos que aqueles 3Kg a mais não são graças ao apetite enorme que temos tido. Parecemos umas mortas-vivas, e aprendemos a dormir as sestas de olhos abertos durante as aulas de natação ou de ballet. Parece que estamos grávidas de 6 meses assim que acabamos de conceber. Só não estamos stressadas quando estamos a dormir. E, quando estamos a dormir, ressonamos.

Andamos com sacos de vómito na mala para sobreviver às más disposições da gravidez, e deitamo-los fora com as fraldas descartáveis. A nossa refeição principal é o almoço. Todas as outras são a correr ou não existem. Se os nossos filhos não comem salada nem vegetais, porque é que nós havemos de comer?

Nem sequer tentamos deixar de beber álcool, até insistimos num copo de vinho, mas sabe pessimamente, e enfrascamo-nos em baldes de leite com chocolate.

Compramos vitaminas no dia em que descobrimos que estamos grávidas, e esquecemo-nos de as tomar durante toda a gravidez. Redefinimos a palavra “eternidade” baseadas nas constantes perguntas do filho mais velho sobre se “é hoje que o bebé nasce?

Ninguém se dá ao trabalho de nos dar conselhos ou informações sobre bebés. Todos pensam que somos loucas ou irresponsáveis. E assumem que foi um acidente. Olham-nos de soslaio no supermercado quando nos veem com dois miúdos, mais um a caminho, 2 cachos de bananas e vários iogurtes. As pessoas fazem questão de nos contar as suas histórias sinistras sobre os filhos do meio que acabaram por se tornar psicopatas. Ou políticos. Vemos o Obstetra no dia do parto.

As amigas que já não vão ter mais filhos, já perderam peso, estão giras, com um ar descansado e relaxado. Podem sair à noite e ter vida social. Não sentem nada mais do que pena por nós.

Perguntam-nos, onde quer que vamos “É o primeiro?” Quando dizemos que é o terceiro, riem-se à gargalhada e vão-se embora.

Já não  temos nenhuma literatura de especialidade como tínhamos, e já não há dinheiro para pagar assinaturas. Folheamos diversas revistas  à espera de nos inspirarmos sobre o nome da criança. Tiramos o segundo filho da cama de grades num ápice, e treinamo-lo a largar as fraldas ainda antes de nascer o bebé. Se tudo correr mal, vamos a rapidamente comprar outra cama de grades.

Vamos desencantar fraldas de recém-nascido que tinham sobrado dos outros, e pomos junto ao berço. Está feito o quarto do bebé.

Olhamos para o enxoval do bebé, que já passou pelos irmãos, e embora coçadinho, vai ter de dar.  Instalamos uma TV no quarto dos miúdos. Nunca vão ter piercings antes dos 16 anos. A Dora e o Ruca estão por todo o lado….

O bebé nasce. E há-de ir para o infantário.

Este filho vai fazer-nos perceber a quantidade de amor de que um coração humano é capaz. Vamos olhar para os mais velhos com outros olhos, e perceber o doloroso que é estar longe deles. Vamos olhar para o nosso marido e ficar eternamente gratas por estes três maravilhosos filhos que ele nos deu, e desculpá-lo por (quase) tudo o resto. A nossa vida é agitada, confusa e barulhenta, alguns  gritos, frustrações e muito amor. Teremos muitos daqueles momentos de cortar a respiração, aquelas experiências únicas, aqueles dias fantásticos que fazem com que nunca nos venhamos  a arrepender das escolhas que fizemos.

 

(…continua…)

A derradeira verdade sobre ter um quarto filho

traduzido e adaptado com autorização por Up To Kids®,

artigo original de Shannon Meyerkort
@Scary Mommy

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

  1. nossa eu realmente amei esse artigo tenho uma situação financeira não muito estável pois deixei minha casa no interior do meu estado e vim pra outra cidade construir por causa de oportunidades de trabalho ,mas só consegui fazer ate agora compra o terreno e deixar o alicerço ,sei que a hora e impropria mais eu gostaria de engravidar e já tenho 2 meninos ,todos me chamam de loca por isso não engravidei mas estou ansiosa para ter meu bebe .e sinto que e verdade apesar de todos sofrimento o olhar deles nos motiva.

  2. Adorei o artigo.e identifico me imenso porque vou na 3 gravidez .a parte desta gravidez q me tem deixado mais triste e o comentário das pessoas perguntam se é o 1 e eu respondo q é o 3. ” credo tão nova” ” aí com a crise q está como tem coragem” tão nova já vai no 3″ “entãoaconteceu? E nao havia nada a fazer? A sério fico mesmo triste. O que vale e os q estão em casa o marido achou imensa piada vir o 3 as minhas filhas tb aceitaram bem.a ver se e desta q vem o rapaz .

  3. Jussara Nascimento em

    Olá! Li somente agora seu texto aqui no Brasil, estou grávida do terceiro, rindo de sua crônica e desfrutando minha nova vida. Sim! É possível ser feliz, manter a vida com o marido, trabalhar e cuidar bem dos 3 filhos! Aqui também nos acham loucas!
    Maria, que você tenha se cuidado desde a data de seu post. É uma pena que você ainda não tenha conhecido o significado da palavra felicidade e família. Dificuldades e problemas existem, porém fica a cargo de cada um ver o copo meio cheio e meio vazio. Lembrando também que os 3 filhos (ou mais) não precisam ser biológicos e podemos adotar com todo o amor do mundo as crianças que são deixadas por aí. É meu projeto para o 4º! Beijos a todos!

  4. Pingback: O melhor de 2014 | Up To Lisbon Kids

  5. O valor professado neste tópico integra o inconsciente humano global.

    Aos homens este tipo de informação eleva o orgulho macho, e ás mulheres o orgulho do ego feminino, não será? Ambos inundados no seu intimo por emoções e sentimentos de “amor/felicidade”

    Não serão tão somente exactamente esses 2 valores que levam á violação de milhares de crianças e mulheres pelo mundo fora?? Quando esse valores passam como um direito que todos tem? Viva o livre arbítrio não? Lidar com as consequências “tá quieto”, “Alguém que o faça.” … egoísmo no seu melhor.

    Implica uma virada de paradigma de 180º
    A maria já começou o dela:

    Verbalizando cientificamente o que a maria descreveu emocionalmente que é negativo, podemos ver o excerto do minuto 12 e 30 segundos, da entrevista TED http://www.ted.com/talks/richard_wilkinson?language=pt#t-849310.

    Citando:
    “12:40 Mas devo dizer algumas palavras sobre o que se está a passar. Eu penso que estou a observar os efeitos psicossociais da desigualdade, e a falar sobre eles. Mais relacionados com sentimentos de superioridade e inferioridade, de ser valorizado e desvalorizado, respeitado e desrespeitado. E, claro, esse sentimento de competição pelo status que se gera guia o consumismo na nossa sociedade. E leva também à insegurança do status. Preocupamo-nos mais como somos julgados e vistos pelos outros, se somos considerados atraentes, inteligentes, todo esse tipo de coisas. Os juízos de avaliação social aumentam, o medo desses juízos de avaliação social.

    13:25 É interessante, algum trabalho paralelo que está a decorrer em psicologia social: algumas pessoas reviram 208 estudos diferentes em que voluntários tinham sido convidados para um laboratório psicológico no qual foram medidas as suas hormonas de stress, as suas respostas à execução de tarefas stressantes. E, na revista, o que eles tiveram interesse em ver foi que tipos de stress conduzem ao aumento dos níveis de cortisol, a hormona central do stress. E a conclusão foi de que foram as tarefas que incluíam ameaça de avaliação social — ameaças à auto-estima ou status social, em que outros podem julgar negativamente o nosso desempenho. Esses tipos de stress têm um efeito muito particular na fisiologia do stress.”
    in TEDGlobal2011: “Richard Wilkinson: Como a desigualdade económica prejudica as sociedades”.

    Ou seja, Igualdade é o valor a passar.

    Dizer o quanto se deseja ter mais um filho e permitir isso passe como um valor, parece mais é um “vicio doentio” se não se coloca a igualdade em 1º lugar transversalmente e longitudinalmente (perante qualquer classe e qualquer grupo dentro das classes sociais) na sociedade.

    Criar filhos sem um marido apoiante macho que só está bem com os amigos a beber cerveja, e levar com constrições á liberdade de expressão por obrigação a em vez de passar tempo em casa a tratar das crianças, ter de passar tempo prestar serviço num emprego em troca de dinheiro, insere-se bem no que é foi referido como “tarefas que incluíam ameaça de avaliação social — ameaças à auto-estima ou status social, em que outros podem julgar negativamente o nosso desempenho.”
    Isso vai pesar na felicidade de uma mulher não???

    E deriva do mesmo sistema que suporta a desigualdade monetária, em que, para os ricos e felizes estão bem a custa dos pobres.

    Sugiro ver o vídeo na totalidade.
    A origem da felicidade e da arte de viver é suportada primariamente, pelo dinheiro.
    A desigualdade remove-se introduzindo igualdade monetária primeiramente.

    Eliminando a falta de dinheiro e consequentemente a obrigação em o gerar cria-se tempo e espaço ao desenvolvimento pessoal. No minimo começa-se por retirar a energia negativa de medo e inferioridade que está associada ao dinheiro quando ele falta.

    Se os vossos filhos vão ser futuros empreendedores, sugiro que lhes passem o valor da Igualdade Monetária!!

  6. maria de nazaré girao em

    Boa noite, o texto sobre um 3º filho, despertou-me a curiosidade e apesar de ser mãe de apenas um Filho, penso que será mais ou menos o que o texto descreve, com alguns exageros aqui e acolá, mas efectivamente, os sentimentos serão, na minha opinião sempre diferentes, ou não passasse a mãe por tantas experiencias que separam o nascimento do primeiro para o 2º…e para o 3º… , ” a mesma água nunca passará duas vezes debaixo da mesma ponte ” , por isso dizer que foi com o mesmo amor , o mesmo entusiamo,… terá sido no mínimo, com um amor diferente.
    Continuei a ler os comentários, e vi pessoas a serem ofensivas umas com as outras, acho que ninguém tem o direito de julgar o que desconhece, uma coisa é certa, os filhos devem vir ao mundo por eles, e não para que haja filhos únicos, quando o segundo filho ler um texto em que foi concebido para fazer companhia ao primeiro filho também não deverá ficar muito feliz .
    Por outro lado a maioria das mães que se manifestaram nenhuma referiu que trouxe ao mundo um filho “diferente” seria bom antes de julgarem considerarem essa situação e o quanto angustiante será viver com a essa dor.
    Também ninguém referiu que teria que se desdobrar em mãe, esposa, trabalhadora, motorista, empregada doméstica, psicóloga, professora, e muitas outras actividades inerentes ao papel da mãe, trazer filhos ao mundo é realmente muito fácil, sobretudo se se tiver empregadas , agora minhas senhoras ter 3 , 4 ou mais filhos pequenos e ainda ter tempo para fazer comentários não deverá despender muito tempo com cada um dos filhos.
    Desejo que todas as crianças sejam felizes porque nenhuma pediu para nascer e muito menos para ser um troféu.

  7. No final do ano passado resolvemos ter um terceiro filho.o mais estava a caminho dos 7 anos e o segundo estava a fazer os 4. Em Janeiro tive a confirmação que estava grávida e após uma ecografia na urgência tivemos uma agradável surpresa. Não estava grávida de um mas sim de dois bebês. Assim que recebi a notícia chorei, de felicidade, de receio explicaram-me logo que não. Seria uma gravidez fácil primeiro por serem gêmeos mas principalmente por serem verdadeiros.
    Quando cheguei ao pé do meu marido ainda chorava, lembro-me de ele é perguntar baixinho se tinha perdido o bebê, eu respondi que não. Então porque choras? Porque são dois bebês. Abraçado-nos e choramos, aliás choramos muito ao longo de toda a gravidez,foram sustos a trás de sustos. Descolamento de placeta, repouso absoluto, um dos meninos só tinha uma artéria de alimentação e esteve em risco a gravidez toda. Suspeita de que um dos bebês poderia ter alterações cromossomicas,problemas nos fluxos,ecografias todas as semanas. Internamentos, início de trabalho de parto as 25 semanas mais uma estadia no hospital. Novo internamento as 30 semanas já sem colo e três dedos de dilatação. Os meninos acabaram por nascer as 33 semanas, ficaram 24 dias na neonatologia. Hoje tem 3 meses estão lindos e grandes. Os irmãos adoram-nos,os pais estão completamente babados.
    Somos uma família feliz é muito unida, não existem tempos mortos cá em casa. Existe sempre biberões para dar, fraldas para mudar, jantar para fazer, jogos do uno ou escondidas para jogar.
    O meu filhos mais velho por vezes diz que qualquer dia somos 8. E nós temos que lhe explicar que já chega, nao porque não gostasse de ter mais mas sim devido às condições monetárias. Quem sabe se me sair o Euromilhões…….

  8. Tenho 3 filhas maravilhosas. Não digo que seja fácil, pois todas nós mães assim o sabemos. O meu marido inicialmente não queria nenhum filho e hoje é o maior pai babado. Não foram gravidezes planeadas mas todas aconteceram sem eu o ter enganado. Ele sabia que não havia proteção. A terceira gravidez foi numa fase muito complicada da vida, doença terminal de um familiar, mas hoje, essa menina, a fazer 4 anos, é outro tesouro cá em casa. Não me arrependo nada de a ter tido perto dos 40. Que agradável ouvi-la dizer “És a minha mãe mais preferida”. Aliás, uma gravidez na casa dos 40 é o melhor que se pode fazer. Se não tivesse uma profissão que me absorve muito não me importava de ter mais outro.
    Sei que não sou uma mãe perfeita, que muitas vezes venho saturada do trabalho ecom pouca paciência, mas não é por isso que as deixo de amar a todas.
    Quanto à Maria, não gosto de julgar ninguém, mas se ser mãe é um fardo, porque casou, se é que é casada? Nós devemos casar para fazer o outro feliz. Se casamos para sermos felizes então nunca o seremos. Só teve a sua filha para fazer o seu marido feliz?
    ADORO AS MINHAS FILHAS, INÊS, MARGARIDA E FRANCISCA COM TODAS AS MINHAS FORÇAS. Todas têm o seu feitio e maneira de ser, mas não deixam de ser minhas filhas criadas com amor e carinho.
    QUE TODAS AS MÃES SEJAM FELIZES PELOS FILHOS QUE GERARAM, PLANEADOS OU NÃO.

  9. Essa Maria precisa urgentemente de tratamento. Sou mãe de dois rapazes (10 e 3 anos) e a pena que tenho é de já não poder ter mais, devido à idade e porque não faço dilatações, logo tem que ser de cesariana. Sou filha única e depois do 1.º filho quis logo o 2.º mas o meu marido não queria. Chorei muito pensando que iria ficar só com um filho, mas depois mudou de opinião e lá veio o 2.º. Ambos foram planeados, ao ponto de escolher o mês em que iriam nascer. Amo-os daqui até à lua e da lua até aqui.

  10. boa tarde. realmente essa sra. maria tem uma alma triste.. tou neste momento a olhar para a minha 3ª filha (de 18 meses) a correr aos pulinhos com um sorriso enorme, e é das coisas que me dá mais alegria. tenho 2 rapazes mais velhos, cada um em sua fase, pois as diferenças de idade não são muito curtas, e o mais velho, de 14 anos, dá-me muito orgulho, pois é um menino de ouro (pode parecer cliche, mas é verdade). não sou feliz a tempo inteiro, mas quem o é? mas posso dizer garantidamente, que na maioria das vezes que tou mais em baixo, são os meus filhos que me puxam para cima. posso não ser a melhor mãe do mundo, mas “quem dá o que pode, a mais não é obrigado”, e por eles eu faço tudo. e não sou menos mulher por isso, tenho a minha profissão, faço formações constantes, cuido dos meus filhos e da minha casa.
    felicidades para todas as familias (maiores ou menores) e para as crianças que estão para vir!

  11. Tenho dois filhos. A vida não me permitiu ter mais. Adoro-os. No entanto nem todos os momentos foram de felicidade. A vida nem sempre é fácil, mas tudo faz parte do crescimento humano, momentos bons e menos bons. Acho maravilhoso quem opta por ter 3 ou mais filhos. Bem haja para todos.

  12. Tenho cinco filhos (4 meninas e um menino) e cada gravidez, cada parto e cada um deles é único e especial. É verdade que passamos momentos cansativos e dolorosos mas um só beijo e um abraço apertadinho dos nossos críos faz tudo valer a pena.Tive três meninas seguidas e à quarta vez tive o tão desejado rapaz, depois, sem planear, Deus trouxe – me mais uma menina, planeada não foi, mas amo – a tanto como os planeados. O amor não encolhe por termos muitos filhos, cada vez amo mais o meu marido e mais amada me sinto.Lamento imenso que certas mulheres se sintam rejeitadas pelo pai do filho e percam o desejo de ter mais. Deus nos ajude a criar nossos filhos com MUITO amor.

  13. Tenho cinco filhos (4 meninas e um menino) e cada gravidez, cada parto e cada um deles são únicos e especiais. É verdade que passamos momentos cansativos e dolorosos mas com um só beijo e um abraço apertadinho dos nossos críos tu

  14. Boa tarde.
    Achei este artigo super engraçado,confeço que me revejo em algumas coisas.
    Tenho 2 meninos gemeos com 6 anos, 1 menina com 7 meses e quando fiz a ecografia do pós parto descobri que estava grávida de 15 semanas…foi a loucura hehehe.
    Confeço que é a gravidez mais complicada,os manos entraram agora para a escola e a mais nova como é obvio é ainda muito dependente pelo que me sinto mais cansada.
    Mas como nunca fui uma mãe ou grávida stressada com o não vão fazer isto ou aquilo e o trato da mais nova não tem sido muito diferente do que dei aos mais velhos,acaba por não ser tão mau. Tem havido coisas mais faceis pois aprendi com os manos,como tem coisas que não sabia e agora faço…
    Mas aquilo com que me identifico mais é mesmo com os comentários.
    Se já me chamaram doida quando engravidei da menina, agora sou louca…irresponsavel…sem juizo…também já me perguntaram se não tinha tv ou se não sei o que são contraceptivos… enfim…
    Ter uma familia numerosa não é fácil…mas é o meu orgulho.

  15. Exatamente Rossana penso como voce, eles sao o melhor que temos na vida. Amor sem limites. E como voce a opiniao dos outros nao me interessa nada. Hei-de ter o 4º. AMO-VOS FILHOS JOEL, IRIS E DINIS.

  16. Bem sou mãe de 3 lindos meninos . Em relação a tal Maria só tenho a dizer que deve ter tido uma infância muito má, mal amada e triste , e outras coisas.
    Depois digo em relação as gravidezes esperei todas como se fosse a primeira, todas especiais, cuidei de tratar das coisas para cada um deles com o mesmo Amor e dedicação. Bordei , pintei peças de gesso, dei um toque pessoal de todos eles e digo adorava se podesse ou tentar ter uma menina mais uma vez ou adotava de coração uma . Pois cada um deles tem o seu cantinho especial no meu coração e igual de todas as maneiras para os três. Ser Mãe para mim com 35 anos foi a coisa mais Especial e de Maior Felicidade que já vive,UM AMOR SEM IGUAL .
    Por eles dou a minha vida e com todos as coisas que nos tras de chatices, aborrecimentos e até mesmo de as vezes querer “fugir” de tanto cansaço , nada é maior Que Aquilo que recebemos deles , todo aquele Amor desde bebés e pois não há sentimento mais puro. Amo os meus príncipes Marco,Daniel e Lucas <3
    E digo penso em ir ao 4 , quem me achar maluca borrifei-me … , pois graças a Deus ainda mando na minha vida e opinião dos outros não me alimenta e nem comanda a minha vida .

  17. Eu Tb tenho 3 filho e senti cada frase deste texto, a minha 3ª gravidez aconteceu 17 anos depois da primeira e 13 depois da segunda e toda a gente me dizia que já era tarde…perguntavam se tinha sido sem querer… que depois de estar descansada ia voltar outra vez as fraldas, mas não a verdade é que depois de ter 2 rapazes em 4 anos resolvi dar um tempo para eles crescerem, mas sempre a pensar em ter uma menina, que hoje tem 3 anos, é linda e foi muito bem aceite pelos irmãos que a adoram e que ela tb adora, hoje tenho o mais velho na universidade, o do meio no secundário e a mais nova no infantário, e apesar do trabalho que todos dão e das preocupações cada um à sua maneira e próprias da idade de cada um estou muito feliz com os meus filhos que são a minha alegria de viver.E adorei ser mãe aos 20 tal como adorei ser mãe aos 40, vive-se cada etapa de uma maneira diferente mas com os filhos sempre gratificante.

  18. amalia vicente romao em

    Olha Matilde eu apenas tenho um filho,mas entretanto tenho dois netos e acho que qundo fui avo pela segunda vez,ja não houve tanto entusiasmo como no primeiro mas hoje felizmente são a minha maior alegria .As crianças dão-nos muito trabalho mas também muitas alegrias.bjs felicidades e que a hora do nascimento seja muito pequenina ,,,

  19. yhmm ca para mim esta MAria é uma frustrada que o marido a abandonou… tenho 3 meninas(todas de gravidez de alto risco), e sou casada a 12 anos.. claro que as nossas meninas sao fruto do nosso amor.. senao para que te las? Posso dizer que as minhas filhas tem direito a tudo ou mais que um filho unico tem … Alias tem mais! Pois alem de amor de pais tem o AMOR de irmãos… e um dia qd nos morrermos pelo menos elas tem -se umas ás outras…~
    o Texto da MAria são palavras de pessoa frustrada a precisar urgentemente de psiquiatra

  20. Olá, tenho 3 filhos maravilhosos, a mais velha com 15 anos e 2 rapazes um com 8 e outro com 4, quando engravidei do mais novo tava desempregada e terminava o subsidio de desemprego com 6 meses de gravidez n foi uma gravidez planeada mas foi mt benvindo e do qual n me arrependo, durante a gravidez a mãe de um colega do meu filho teve a delicadeza de me dizer como é q tive coragem de pensar num 3º filho neste tempo de crise tive-o com mt gosto…hoje graças a Deus tenho uma vida estável pq entretanto emigrei e se n fosse por ter problemas de saúde punha a hipotese de um 4º filho….

  21. Boa tarde realmente esse comentario da Maria é tristissimo , tenho 3 filhos maravilhosos por opçao minha tenho 25 anos e eles sao a minha vida , amo ser mae e digo-vos ja que espero ter o 4º filho queremos muito. essa mae precisa de um psiquiatra urgente. coitado do filho/a dessa senhora. amo meus filhos por igual. e benditas a estas maes maravilhosas que esperam pelo seu 3º filho e pelas que querem o 4º filho. parabens as mamas.

  22. adorei o texto,apesar de ter so uma filha e ter outra a caminho n deixo de me identificar c ele,se sou feliz?!sim sou. se tenho os meus momentoa de tristeza?! sim tenho,n sou perfeita. se ponderei alguma vez n ter filhos?!nunca,sempre quis ser mae,so tenho pena n ter sido mais nova pois financeiramente n dava e infelizmente a minha estabilidade a 100% veio aos 27anos e fui mae pela 1a vez aos 28,agora aos 32 serei novamente mae de uma outra princesa, se me arrependo?! nao,ate quero um 3o filho 🙂 tenho pena sim das crianças q sao ppstas neste mundo e q n tenham o msm o q as minhas filhas teem e terao,mas isso n é da mimha responsabilidade e mais ainda tenho pena de pessoas q acham q somos infelizes so pk escolhemos este caminho,um bem haja a esse tipo de pessoas,coitadas é dos filhos q teem uma mae assim q possivelmente n sabe o q é amor e nem sabe amar.

  23. Um obrigado a todas as Mães do mundo e especialmente para a minha que sem ela não existia e grande beijo para a Mãe da minha linda filha. Espero em breve termos outro membro na Família.

  24. Revi-me na história. Realmente no meu caso, só com o terceiro filho é que passei a ter a tranquilidade necessária para apreciar a vida e os três filhotes lindos.
    De facto, três filhos em 5 anos é dose!
    Valeu a pena!
    Eu digo que é bom ser a mãe deles.
    Ao que a minha menina responde “É bom ser tua filha!”.

  25. Sou filha única e só eu sei a tristeza que é selo… ainda só tenho uma filha mas dentro de algum tempo vira o segundo, quando se tem amor para dar, os filhos nunca são demais, são uma dádiva de Deus que nos ensina a amar incondicionalmente. Infelizmente não é o seu caso, Maria. Amor é um sentimento totalmente desconhecido para si, tenho pena, tanto de si como da sua filha, sim porque com uma mãe que pensa e age assim, amor, é algo que muito provavelmente ela desconhecera!!! Tenho pena que assim seja….

  26. Maria Clara Prostes da Fonseca em

    Maria Clara 8 de Outubro às 20.25. Responder…Pois eu tenho 8 filhos e não concordo nada com alguns outros comentários!!! Lembro-me que esperei cada filho de igual forma… Alegria… boa disposição…como cada um fosse o primeiro filho!!! Chorava de alegria quando nasciam…o meu amor sempre chegou igualmente para todos!!! Era mais feliz…gostava de me deitar cansada…sempre senti o peso da responsabilidade!!! Hoje olhando para trás sinto um orgulho imenso quando vejo os meus filhos ( já homens ) todos unidos e agradeço a Deus o MELHOR que a vida me deu!!!!!

  27. Cátia Rodrigues em

    Há pessoas realmente más e c muita inveja das outras… Tenho um bebé de 9 meses e meio e encontro-me grávida de 5 meses! Não, não foi nenhum descuido, decidimos, eu e o meu marido, que assim o fosse 🙂 o q mais me desilude são as observaçoes alheias: foi descuido? Ahh não? … Mas o outro ainda é tão pequenino!! Infelizmente, perante este tipo de comentarios, sou obrigada a ser desagradável, ou melhor, n sou, mas n consigo evitar! O melhor? Gostariamos de ter 5 filhotes 😉

  28. Genteee… Essa Maria aí precisa ser estudada ou melhor “adotada” por uma família de verdade que possa ensinar para ela a prazerosa arte de amar e ser amada, ela não sabe o que é ter FAMÍLIA. Provavelmente teve uma gestação regada de frustrações e desilusões. Por conta de pessoas como ela que o mundo está cheio repleto de maginais e psicopatas. Livrai – nos senhor dessa berração, amém!

  29. …boas,julgo que o mais grave e triste do comentário da maria,é chamar de burras,fanáticas e mentirosas quem escolhe ser mãe mais que uma vez…A maria não entende nada de felicidade,mas sim de Infelicidade,a realidade da vida é dura e crua mas cabe a cada um de nós torná la alegre e feliz, é pena que não entenda isso,e que prepare o seu filho/a para uma realidade sempre fria e egoista,por não haver espaço na sua vida p o amor…alma triste a sua,enfim….Não somos burrras por descobrirmos que somos felizes com a maternidade,aprendemos imensso ao contrário do que pensa,coisa que não aprendeu de certo ,senão não teria esta visão tão cruel da maternidade…não me considero fanática por querer ser mais uma vez mãe porque antes de agradar a quem seja agrada me a mim essa ideia porque sempre fui muito feliz ,e não é mentira nenhuma ao contrário do que diz,quando se ama de verdade e se tem tanto amor para dar não existe lugar para a mentira,e sinceramente não há AMOR MAIOR QUE O AMOR DE MÃE…espero que de alguma forma aprenda alguma coisa com quem verdadeiramente é feliz…porque de facto é assustador ler os seus comentários sendo mãe…e talvez as burras e tapádas não sejamos nós,talvez você ainda não tenha entendido verdadeiramente o que se fala aqui neste artigo,daí o seu argumento frio e calculista…é pena….

  30. Que Deus lhe ajude D.Maria, sou mãe de 3 filhos e pondero ter o 4º filho por opção…, os meus filhos são a minha vida! sem eles nunca seria a mulher feliz e completa que sou hoje…, tive o cuidado de deixar de parte a minha carreira profissional ( Educadora infantil) para lhes dar todo o meu amor e atenção, jamais me arrependerei!!!! que forma tão triste de ver a vida D. Maria!!

  31. Pois eu tenho dois e o meu maior sonho e ter outro . Tenho pena de ter tido filhos tarde pois concerteza que iria ter mais . Eu adoro os meus filhos e tenho a certeza que tudo irei fazer para que eles cresçam num ambiente normal . Gosto muito do meu cantinho , gosto muito de estar sozinha de vez em quando , mas não e por isso que os meus filhos me chateiam . Existe tempo para tudo .. O amor e assim

  32. Realmente a Maria tem problemas afectivos gravíssimos. Consulte um psicólogo ou psiquiatra e vá tratar-se o mais depressa possível. Assim, não vai longe. Quanta tristeza…
    Eu tenho apenas um filho (com 4 anos) e estou desejosa de ter mais um. Apenas aguardo o momento mais propício. Não planeio ir ao 3º por questões financeiras.

  33. Não vejo a hora de estar à espera do terceiro! E ainda só vou no primeiro!!!
    Quanto aos comentários da Maria aí de cima…
    Que alma tão triste e tão desprovida de amor…

  34. Uma vida trazida a este mundo é garantia de incertezas e tristezas ao longo de toda a existência. Espanta-me a leviandade e irresponsabilidade e egoísmo destas “mães”! Lamento profundamento que estes pensamentos existam no séc. XXI. No antigamente as mulheres sofriam e tinham muitos filhos porque não tinham como os evitar. Na sua maioria eram pobres. Pessoas de muitos poucos recursos. Pergunto às comentariastas?! Sois felizes assim?! Merntira! Não sois! Mas como adultas que sois a responsabilidade é vossa! Mas…. e o futuro das vossas crianças?! Como será no mundo em que estamos?! Amo crianças e já vi muitas mães e pais a castrar e destratar os pequeninos! Contudo, é bonito ter muitos….. ainda não percebi bem porquê. Até porque seus companheiros acabam por se desinteressar delas, muito rapidamente. Viveis na ilusão e o pior de tudo é que passeis essa ilusão a outros. Sou mãe! E fui-o por amor! Não foi um acidente de percurso! Foi desejada e amada até ao último instante. Ainda hoje porque sou eu a responsável de a trazer a este mundo, sofro por ela. Até ao meu último sopro de vida! …. no instante em que a tive, decidi. Nunca mais voltar a ter filho algum. Nunca mais ser responsável por outra vida que nem eu sei se queria vir para este Planeta (maravilhoso-como todos temos conhecimento. E não tive! E nunca, mas nunca me arrependi! ….. é preciso pensar nas crianças em vez de pensar em agradar aos maridos, até porque os nascimentos prendem ou não mais os maridos, mas não fazem que sejais mais amadas por eles. A VIDA VOS DIRÁ UM DIA QUE O QUE VOS TENTO DIZER È VERDADE E UMA CHAMADA DE ATENÇÂO! lamento por todas vós!

    • Ola Maria
      Eu acho que a unica pessoa que e digna de ser lamentada e voce. Como pode alguem ser portadora de um egoismo tal que se quer se apercebe daquilo que escreveu.
      Quer dizer que na sua filha nao pensou em nenhum momento, planejou-a talvez por vaidade, para agradar o marido ou simplesmente porque fazia bem ao seu ego seguir o curso natural da vida provando que era capaz de ser mae. Porem diante das dificuldades, privacoes talvez ate em relacao ao marido, conseguiu pensar que talvez um segundo filho nao quisesse vir a este mundo. Com esses comentarios que nao sao construtivos, vejo que voce e uma pessoa pobre de espirito e muito egoista desprovida de amor pra dar. Se ter mais filhos aproximasse mais o seu marido ou lhe desse mais beneficios eu garanto que os teria, mas nao traz nao e?
      A maternidade e um don que vem acompanhado de muito amor pra dar incondicionalmente, isso ou se tem ou nao se tem, por isso temos imensa pena que nao tenha.
      As pessoas nao podem ser rotuladas de infelizes, iresponsaveis ou outra coisa qualquer unicamente por terem varios filhos, cada um sabe de si, das suas condicoes financeiras e mais para optarem por serem pais quantas vezes quiserem.
      Eu sou mae de 1 filho e espero pelo segundo, eu pensei na solidao do meu filho ao brincar ssempre sozinho e sei que fara bem a ele. Nao sou filha unica e nao gostaria de ter sido, nao sei se voce e ou nao, mas se for, isso nao lhe fez nada bem, se a minha mae ou a sua pensassem assim provavelmente nem existissimos. Nao nos chame de coitadinhas, infelizes ou irresponsaveis, sabemos o que fazemos e somos felizes assim. Nao fale da sua filha como se fosse um fardo, de amor, se nao voce se tornara um dia um fardo pra ela. Tente resolver as suas magoas e os seus problemas mal resolvidos. Temos muita pena de voce.

      • Concordo plenamente,um filho é uma benção de Deus.No meu caso sempre quis ter muitos filhos e para vir o terceiro abdiquei da minha carreira profissional,sou médica dentista especialista em implantologia mas o meu coração de mãe falou mais alto,tive dois filhos quase seguidos e para vir o terceiro poupei durante muitos anos,pois financeiramente é sempre complicado,hoje estou em casa acompanho os mais velhos com a princesa a tiracolo,não estou arrependida,abdico em muita coisa própria para eles ,pois ser Mãe é isso mesmo ,é conseguir amar mais, aquele ser que sai de nós do que nós mesmos.

  35. josé de oliveira gaspar dias em

    se com três é assim,imaginem a quantidade de perguntas ,respostas,opiniões com sete filhas!!!de um pai babado.

  36. Isso chama se viver! Nós mulheres temos um dom de ser mãe e ser mãe não é só viver de coisas boas pois as coisas ruins também fazem parte da nossa vida e é com os nossos erros e acertos é que vamos educar os nossos filhos seja 1 seja 2 seja 3 ou mais… não há nada de mais em ter o 3°filho.
    Quem está curtindo uma terceira gravidez não deixe que está mensagem triste e mesquinha entre em seu coração culpando um terceiro filho de seus problemas ou frustrações mau resolvidas, lembre se um criança é sempre uma bênção que Deus nos da. Bjnhos a todas as mamãe de M maiusculo que lutam pelos seus filhos seja quantos for…

  37. Tenho 3 filhos e identifiquei-me em muito, sem dúvida 🙂 se voltasse a ter 18 anos e pudesse voltar ao passado… era a única coisa que não mudaria. Ter os meus 3 maravilhosos filhos, mesmo com todas as dificuldades que passamos e com a sobrecarga já mencionada, foi e é a parte melhor da minha vida!!!

  38. A partilha é fantástica, mas ainda me faz pena que os maridos pareçam surgir como acessórios (“gratas pelos filhos que nos deu e desculpar quase tudo o resto”). Está na hora das mães se aperceberem da sua sobrecarga injustificada e que se ambos trabalham fora de casa têm mais é que partilhar com igualdade as tarefas existentes por terem filhos.

  39. Tenho 4 filhos maravilhosos e embora toda a gente olhe para nós com um misto de admiração/ loucura, a única coisa que faria diferente era ter sido mãe mais cedo, para ( agora tenho de falar baixinho para ninguém ouvir 🙂 ) poder ainda voltar a ser mãe! Difícil é, mas é um milagre e uma benção multiplicada por 4!

  40. Adorei os comentários. Parabéns às mães coragem. Eu tenho dois filhos que adoro, mas para mim mais crianças estava fora de questão. Gosto muito do meu espaço. Parabéns a quem sente diferente de mim.

  41. Eu tenho duas princesas maravilhosas, uma no auge da adolescência (15 anos) e uma pequenina (3) que todos os dias faz questão de mostrar à irmã o quanto gosta dela:-) financeiramente não me posso dar ao luxo de ter mais mas adorava ter pelo menos mais 2, o meu marido diz que sou doida mas sinto que seria ainda mais feliz….

  42. Olá
    É mesmo isto. MARAVILHOSO. Tenho 2 filhas e um filho. É incrivel o amor que nós temos para dar. Agora já não (tenho 56 anos) mas durante muito tempo todos me pediam mais irmãos, e teria sido tb muito bom.

  43. Tenho dois filhos, e pensando no terceiro…identifico-me completamente! Penso talvez esteja um tanto ou quanto exagerado, mas os comentários que recebemos como mães de mais que uma criança são chocantes! Somos olhadas como loucas, apontadas como irresponsáveis quando na verdade estamos a fazer algo de que a sociedade tanto precisa. Estamos a por crianças neste mundo e a criá-las com muito amor para serem as melhores pessoas que poderão ser, estamos a criar a população do amanhã num mundo em que há milhares de pessoas que não querem ter filhos!!!

  44. É mesmo verdade, verdadinha. Tive 3 filhos com pequenas diferenças de idade e estava a ver este “filme” que acabei de ler. No entanto, fiquei com pena de não ter tido mais um. A partir do 3º filho a rotina torna-se mais dinâmica e mais um ou dois não teria feito diferença. Financeiramente? Talvez mas com boa vontade tudo se arranja. Parabéns por este artigo – está muito real e é um bom apoio para as Mães e Pais que têm mais do que um filho. Afinal não somos assim tão diferentes!!!

    • Eu tenho 4, quatro belos rapazes com pouca diferença de idades entre eles. Não me arrependo nunca de tudo o que passei durante as várias gravidezes. Ainda hoje , o meu filho mais velho , afirma que não se importava de ter tido mais irmãos. Somos felizes.

    • Este artigo é engraçado porque revejo-me na maioria das situações.Em 5 anos tive 3 filhas e ao longo do tempo tudo é mais relaxado, por isso, embora educadas pelos mesmos pais, a sua educação não poderia ter sido mais diferente.Tenho pena de não ter tido mais filhos mas financeiramente não podia.