babywearing

babywearing

Babywearing no dia-a-dia, uma perspetiva familiar: criança

A perspetiva da criança sobre o babywearing é uma perspectiva imediata. Não tem curto, médio nem longo prazo, só tem o agora. Considerar o babywearing no dia-a-dia sem equacionar a perspetiva da criança, incorre-se o risco de rapidamente olhamos para esta prática apenas como uma rotina para ter mãos livres ou para adormecer as crianças.

O mundo dos graúdos

Uma das vantagens do babywearing é trazer a criança para o nosso plano. Vê o mundo da nossa perspetiva, cá de cima. Vê coisas que não vê lá de baixo, e vê o lá de baixo cá de cima.

Mas também permite à criança interagir com o mundo na vertical, e aproximar-se ou mesmo participar em atividades com os pais, como arrumar a louça, cozinhar, limpar o pó e aspirar. E também é assim ao sair à rua. Vê os carros de forma diferente e chegam às árvores e as sebes do jardim já não são uma parede, são um obstáculo superado.

Um esconderijo

Além de virem cá para cima para experimentarem o mundo ao máximo, encontram no babywearing um esconderijo para repousar, um porto seguro.

Quando o cansaço aperta ou quando o sono está a chegar ou simplesmente porque estão menos pacientes, o porta-bebés ajuda-os a acalmar. Mas onde está a perspetiva da criança aqui? É que muitos de nós iremos ficar surpresos quando repararmos que frequentemente os nossos miúdos vêm ter connosco a pedir para ir para o pano, para descansarem um pouco, conscientes do bem que lhes faz e de como os acalma e os faz sentir melhor.

Um hábito

O repetir da rotina vai criando hábitos e a criança vai interiorizando esses hábitos, tomando-os como dela. O mesmo acontece com o babywearing. Ao introduzir esta prática na família e ao repeti-la com regularidade, vamos também marcar a rotina da nossa criança com esse momento. E vamos perceber que na hora da sesta vai resistir estoicamente contra o pano ou à mochila, mas no momento de ir dar um passeio ao parque, o porta-bebé é o seu melhor aliado e quase que salta para dentro do pano.

Por Nuno César Nunes

Artigo elaborado com base em recolha de informação feita no grupo do FB Babywearing Love Portugal 

imagem@Kristi Hayes-Devlin