Carta à madrasta da minha filha

Eu nunca te quis aqui. Aliás, nunca fizeste parte dos meus planos. Cresci e sonhei com a minha família, mas nunca estiveste fizeste parte do plano. Nunca quis a ajuda de outra mulher para criar a minha filha. O meu plano era uma família que incluísse a mãe, o pai e os filhos. Não uma madrasta.

Eu duvido que alguma vez me quisesses na tua vida. Eu duvido que tenhas planeado ser mãe de uma criança que não cresceu na tua barriga. Aposto que o teu plano para a tua família eras tu, o pai e os teus filhos. Não era eu e minha filha. Quase que aposto que quando sonhavas em vir a ser mãe, imaginavas o dia em que se rebentavam as águas, ias para a maternidade e que o teu filho ia nascer. Aposto que não planeavas tornar-te mãe no dia em que te casaste com o teu marido.

Eu tenho certeza de que tu nunca planeaste eu estar aqui.

Mas Deus tem planos que se sobrepõem aos nossos… quando a minha família se desmoronou e formou duas pequenas famílias, eu sabia que, mais cedo ou mais tarde ias aparecer.

Imaginava que serias alguém sem qualquer interesse e que a minha filha nunca te iria aceitar! Imaginava-te pouco atraente e fútil, e que a minha filha nunca te daria uma chance. O pai dela ia acabar por ter de se contentar com esta situação. No fundo eu estava em negação, porque nunca quis encarar o fato de que, outra mulher tomaria o papel de mãe da minha filha, na minha ausência.

Então tu apareceste.

Quando te conheci, vou admitir que não eras, de todo, o que tinha em mente e senti uma ponta de ciúmes. Pensava que eras uma bruxa nojenta de meia-idade, meio repugnante. Mas afinal és jovem. E gira!

Fiquei um bocado frustrada.

Percebi pelo teu olhar que para ti foi tão difícil como para mim conhecermo-nos. O meu coração ficou mais calmo. Eu tinha realmente pensado em odiar-te. Como é que arruinaste o meu plano? Eu queria ter ressentimentos, ser rancorosa mas esses sentimentos rapidamente se desvaneceram, e eu senti-me grata por existires!

Teres aceite a nossa filha desde o início e ama-la de forma incondicional foi um verdadeiro presente para todos nós. Incluis a nossa filha em tudo que fazes e por isso ela sente-se amada e aceita-te de braços abertos. Consegues pôr a relação dela com o pai acima da tua e apenas uma mulher de armas sabe como fazer isto com tanta elegância.

Eu sabia que a partir do momento que decidimos divorciar-nos e começamos a viver separados, haveria momentos em que ela ia precisar da mãe e eu não ia estar lá. Estou tão agradecida por estares lá na minha minha ausência. Obrigada por teres paciência para aturar uma pré-adolescente e nunca a rejeitares. Ela precisa de uma mãe em casa e e tu está a fazer um trabalho incrível com ela.

Respeitaste a minha posição de mãe desde o início. Agradeço a forma como te preocupas em confirmar sempre comigo se estás a tomar a decisão certa com ela. Eu sei que a nossa relação é rara. É raro uma mãe e uma madrasta trocarem mensagens de texto sobre a filha, que reforcem a relação de respeito e confiança mutua. Tu foste e és uma bênção.

Por tua causa e pela coragem de seres mãe da nossa filha da mesma maneira que eu sou, ela vai ser uma mulher melhor. Ela vai crescer com mais amor que eu jamais poderia ter imaginado. Ela não tem culpa de ter pais divorciados. Eu também nunca quis isso para a minha filha, mas agora, eu sinto-me feliz que tenha quatro pais que a amam e respeitam. E também se respeitam mutuamente. Ela cresce a saber que quando se fecha uma porta abre-se uma janela.

Eu não te vejo apenas como a pessoa que preenche um espaço quando eu não estou lá. A vossa relação vai para lá dos dias em que ela está no pai. Ela fica animada para te telefonar e contar histórias quando está em minha casa e isso faz-me saltar o coração do peito de alegria. Encho-me de orgulho quando nos encontramos e me apertas num abraço genuíno e amoroso.

Tenho a noção de como é a vida de uma criança quando uma mãe não aceita emocionalmente a madrasta de seu filho na sua vida. A sensação de gratidão transborda em mim por sermos capazes de superar qualquer coisa assim e fazer o que é realmente certo para a nossa filha. Obrigada por tua maturidade e pelo empenho em criar a nossa filha.

Comprometo-me a respeitar sempre o teu contributo para com a nossa filha. Prometo nunca menorizar o papel que tens na sua vida ou fazer com que não te sintas como mãe dela. Comprometo-me a ser sempre agradecida por sermos duas mulheres fortes e corajosas na vida dela, pois temos a coragem de sermos mãe ao mesmo tempo. Apesar na nossa situação ser tranquila, eu rezo a Deus para que ela não passe por isto na sua vida adulta, mas se por acaso isso acontecer,  eu prometo dar-lhe o exemplo de como criar um filho de pais separados.

Mulheres como tu, não há muitas.

Obrigada, e Deus te abençoe.

Por Candice Curry: Women with Worth
Traduzido e adaptado por Up To Lisbo Kids®

Nota: Todos os textos traduzidos, adaptados e publicados pela Up To Lisbon Kids® têm a a autorização do autor e/ou foram comprados os direitos dos mesmos.

Todos os direitos reservados

10 thoughts on “Carta à madrasta da minha filha
  1. Estou bastante emocionada com o testemunho. Sem dúvida que desta forma os nossos filhos não se sentem “rejeitados” pela dor de ter os pais separados. Adorava poder partilhar de um texto igual, mas efetivamente é de todo impossível. Sou mãe e sei que o meu filho sofre, pois ele tem consciência, apesar dos seus tenros 9anos que os pais não se entendem e a madrasta é “persona não grata”, dado aos comentários menos felizes que faz da mãe junto da criança!!!

  2. esta carta colocou-me lágrimas nos olhos:). A todos aqueles que N entendem esta carta, os meus sinceros sentimentos, pois só demonstra a vossa pequenez, e isso com toda a certeza deve-se repurcurtir de forma brutalmente triste no comando da vossa vida, fazendo com que sejam retrógradas e inevitavelmente frustrados e zangados com todos aqueles que têm coragem de fazer o que vos falta a coragem p fazer. Os meus sinceros parabéns para as 5 pessoas envolvidas nesta familia, pois se já é difícil encontrar 2 pessoas com tamanha grandeza de coração e de alma, 5 pessoas me parece um verdadeiro milagre:). Sejam felizes, aliás,como o São, e a vossa vida só a voz vos diz respeito, mas vos agradeço por a partilharem, pois fez o meu dia mais brilhante, saber que existe algures P este mundo, ainda pessoas como vocês:). Bj de alguém que sem vos conhecer vos admira:).

  3. António Santos diz:

    Se não te tivesses divorciado não só não davas cabo da vida da tua filha, como não tinhas perdido tempo a escrever esta carta da treta.

    1. Oh idiota…onde leste que foi ‘ela’ a divorciar-se, em vez ‘dele’?? E depois…é melhor viver uma vida infeliz e dar essa infelicidade aos filhos? Deves ser uma grande cromo…tuga!

    2. Tanta ignorância, mau gosto, indelicadeza e falta de sensibilidade…. o típico homenzinho, troglodita ,como tantos existentes neste feio e mau frequentado burgo!!!!! Parabéns à mãe e madrasta ….já agora eu sou ,tb, uma Mum2!!!!! E adoro!

    3. Comentário típico de homem machista que enxerga mães solteiras como “perdidas” e não aceita que homens conheçam-nas e casem-se com as mesmas.
      Divórcio não é abdicar de filhos, é começar uma vida nova e tentar oferecer aos filhos uma vida mais “leve” e feliz, longe dos problemas que atormentavam a família.

  4. paula marques. diz:

    FILIPA também estou agradecida por fazeres parte da minha vida.
    coragem para a tua vida futura.espero nter sido um bom exemplo para ti.
    gosto muito de ti.
    beijinhos.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.