Carta de um pai para sua filha (Sobre seu futuro marido)

Por regra, assim que um casal engravida do primeiro filho, surgem as questões das preferências de género, e com isso os argumentos que defendem o porquê da escolha do rapaz ou da rapariga. Na verdade o que queremos é que eles sejam saudáveis, mas existir uma preferência faz parte das expectativas e da excitação de vir a ser mãe e pai.

Se for uma rapariga o pai (embora a criança ainda esteja em fase de gestação) começa de imediato a preocupar-se e a pré-ocupar-se com pensamentos sobre, como será quando a sua menina trouxer o primeiro namorado para casa.

O psicólogo Dr. Kelly Flanagan, deixa-nos uma carta para a sua filha relativamente ao seu futuro marido, que pretende que todas as raparigas e rapazes possíveis futuros maridos de alguém leiam, na esperança de que reflitam sobre este tema.

«Minha querida,

Há dias eu e mãe estávamos a fazer uma pesquisa na net, e enquanto escrevíamos no motor de busca, o Google mostrou uma lista das frases mais procuradas do mundo. No topo da lista estava “Como mantê-lo interessado?”

Fiquei incrédulo. Comecei a desbravar inúmeros artigos sobre “como ser sexy e sexual,” “quando levar-lhe uma cerveja vs uma sandwich”, e “quais as maneiras de fazê-lo sentir-se inteligente e superior”.

Senti-me irritado..

Minha querida, não é, nunca foi, e nunca será uma tarefa tua “mantê-lo interessado.”

A tua única tarefa é saberes no fundo da tua alma que tu és digna de interesse. (Se te conseguires lembrar que todas as outras pessoas também são dignas de interesse, as batalhas na tua vida estarão praticamente ganhas. Mas isso é conversa para outra carta)

Se confiares no teu valor, vais ser uma pessoa atraente no mais importante sentido da palavra: vais atrair um rapaz interessante e que vai querer passar a sua vida a investir no aumento do seu interesse por ti.

Minha querida, eu vou falar-te desse rapaz. O tal que nunca vais precisar de o “manter interessado”, porque ele sabe que tu és interessante, e ele vai manter-se interessado.

  • Não importa que ponha os cotovelos na mesa – desde que ponha os olhos na forma como o teu nariz se enruga quando te ris. E que não consiga parar de admirar-te.
  • Não importa que não possa jogar golfe comigo – desde que brinque com os vossos futuros filhos, e que te reveja neles, quer nas suas saídas brilhantes quer nas suas frustrações.
  • Não importa que não seja muito ambicioso, desde que siga sempre o seu coração, e que o leve sempre de volta para ti.
  • Não importa que não seja um homem forte, desde que te dê espaço para usares a força do teu coração.
  • Não importa nada quais as suas convicções políticas, desde que todas as manhãs ao acordar te escolha como dona do seu coração.
  • Não importa qual o tom de pele dele – desde que pinte a tela das vossas vidas com pincéis de paciência, sacrifício, vulnerabilidade e ternura.
  • Não importa se é católico, budista ou ateu – desde que tenha sido criado para valorizar o sagrado, e que como sagrado considere cada momento da vida que passa contigo, e que passam em família.

E por fim, minha querida, se conheceres um homem que reúna estas características, mas que não tenha nada em comum comigo, não te preocupes, pois teremos sempre a coisa mais importante do mundo a ligar-nos:

Temos-te a ti.

Porque no fim, minha querida, a única coisa que deves fazer para “mantê-lo interessado”, é seres tu própria.

do teu, eternamente interessado em ti,
Pai.»

 

Crédito carta@ UnTangled

Imagem@popphoto

Se pretender aceder ao ficheiro de audio da carta original, clique aqui.

42 thoughts on “Carta de um pai para sua filha (Sobre seu futuro marido)
  1. Não vi comentários sobre aquilo que, para mim, é o ponto essencial desta carta: o “nunca vais precisar de o manter interessado porque tu és interessante”. Este ponto de vista, que revela uma possível atitude de vida, destrói muitas relaçõese/ou casamentos e é um péssimo princípio “prático”, digamos assim… A mulher (mas podia dizer-se o homem) que não acha que o outro merece o esforço de uma reinvenção e de um (re-)tornar interessante está a meio caminho de perder o outro e de ficar sozinha. As relações não são eternas -sobretudo se baseadas na premissa egocêntrica de que “sou tão interessante que nunca vais deixar de gostar de mim”.

  2. Confesso que não percebi o que terá originado (est)a discussão sobre “as (futuras) orientações sexuais de um bebé”…

  3. Reblogged this on Confabulação and commented:
    Não é necessário tecer nenhum comentário a mais sobre esse texto. Aos homens que pretendem ou já são pais de uma adorável menina, deveria mostrar esse post a filha assim que elas estiverem suficientemente maduras para tal. E vale também como uma espécie de auto-reflexão da forma de como pretendemos educar nossos filhos.

  4. A carta náo é só linda é uma lição. Os coment+arios contèm de tudo, do que se gosta e daquilo que não se gosta, mas são comrntários de defesa de interessa diferentes, por issoo cada um é como cada qual…

  5. Avelino Santos diz:

    …bastante claro e objectivo, creio que é hoje o pensamento de qualquer pai ou mãe para o futuro que se espera dos nossos filhos, independentemente do autor falar na sua carta no contexto do futuro da filha, também podemos contextualizar para o futuro do filho, porque não?

  6. como mulher permite-me responder a isto: gostava que TODAS as outras filhas de outros pais pudessem ler isto tambem. MAIS, que apesar de tudo, os pais escrevessem uma carta aos filhos homens, sim, porque embora haja mais mulheres que homens no mundo, tambem nascem homens! , e que nessa carta, descrevessem todos os passos para cuidarem de uma mulher… especialmente que tivessem o cuidado de tratarem as filhas dos outros como se filhas deles se tratassem. Sim, porque ontem os homens eram filhos, mas hoje sao pais. E, aposto, que nenhum destes pais que ontem eram filhos, iriam gostar que fizessem às filhas deles o que estes fizeram as filhas dos outros… é a minha opiniao como Mulher.

  7. Realmente são palavras muito bonitas de um pai par uma filha.. E quais serão as palavras de uma mãe para um filho?

    Porquê que o homem é sempre o mau da história.. No mundo e na era em que estamos, algumas mulheres são piores que os homens..

    Não entendo porque que somos sempre o lobo mau..

    Obrigado.

    1. Amigo, no mundo que corre, indiscutivelmente, Todas as mulheres são piores que qualquer dos homens. Desconfio que será mesmo esse o mal que padece Todo o tecido social. Nunca qualquer ser humano, independentemente de género, se deu bem com Liberdade a mais e temos inúmeros exemplos disso ao longo da Historia. Resta apenas perceber onde irá ‘parar’ este mundo a percorrer o caminho até aqui trilhado…é que não estamos a seguir nenhum plano, isto está completamente em ‘Roda Livre’.

    1. Manuel Rodrigues da Silva diz:

      Esta carta devia ser lida,e compreendida por muitos Pais e Mães deste País, Gostei muito. Manuel Rodrigues Silva

  8. É por estas merdices de pensamentos que, depois quando a filha(o) é homossexual, é um choque para os Pais! E depois eles não aceitam os filhos como eles são, porque criaram uma pré-ideia de como a querida filha tinha de “ser” e com quem deveria namorar e casar! Nunca deixam margem para a liberdade dos filhos, e de os deixarem ser felizes e seguirem a orientação que têm desde que nasceram!

    1. Ó Lara…de certeza que estiveste a lêr ESTE texto? Lês ali alguma coisa que limite a orientação ou a opção de quem quer que seja?? Vá lá….

    2. Avelino Santos diz:

      …por isso é que os filhos hoje estão como estão, fazem as coisas a maneira deles e pensam que assim é que está certo, e chamam a isto a evolução do homem no tempo, porque aquela educação, os valores morais e cívicos dados naquele tempo aos nossos filhos nada serviram, mais em contrapartida são hoje os unicos válidos.

  9. Amelia Goncalves diz:

    Uma carta lindissima e que faz pensar (bem verdadeira). Obrigada por ter partilhado comigo. A Bia e a Leonor devem estar umas senhoritas lindas. Quando vou ao ex-serviço sinto saudades do ambiente que tinhamos. Hoje está um caos. Sei que por aí também não á famoso, mas tenho muita esperança em tempos melhores. Saudades

  10. Li a carta, e fiquei com arrepios porque é tão bonita. Mas acho que, infelizmente, fala sobretudo duma fantasia, dum ideal inatingível. Amor e amar é um processo, cheio de erros, problemas e falhas. Uma carta que eu gostava de ter escrito e que vou passar à minha filha quando for mais velha, é esta:

    Se calhar vale a pena também traduzir este pedacinho de amor paternal.

  11. Muito bonita a carta, cheia de amor e coisas boas… mas e se ela for gay? Isso não está referido.
    E provavelmente sentir-se-á encurralada. Just saying…

    1. Querida Sara, sendo gay ou tendo outra qualquer opção sexual aos valores são os mesmos: amor, respeito, carinho,compreensão e tantos outros que a sociedade tem vindo a esquecer.

    2. Pois… infelizmente os Pais incutem logo nos filhos a ideia de que são hetero. Depois é por isso que há os choques, os traumas, as “não aceitações”, os suicidos, as familias destroçadas… enfim…

      1. Os pais incutem logo a ideia que são hetero!?! Como é que os pais fazem isso…? Será que é por viverem juntos como marido e mulher??? Give me a break…

      2. Deve ser mesmo por isso… É melhor incutir aos Filhos que Hetero nem existe e gay é que é normal? Assunto explêndido para abordar com as crianças…é tudo perfeitamente normal neste belo exemplo de sociedade que temos hoje em dia. Temos que pertencer a 1 qualquer loby para estarmos integrados, certo? Temos que acompanhar as modas para nos sentirmos integrados, certo? Todos criticam o estado de sitio, mas no fundo, todos agem de forma a dar continuidade a esta enorme bandalheira a que se assiste hoje em dia. Ser gay está na moda! Ser gay vai dar te um futuro ou prepara te para seres gay pois podes vir a precisar ou ainda, procura bem dentro de ti se não tens alguma coisinha de gay…é que se tiveres, estás muito melhor adaptado para te integrares na sociedade plural e tolerante do futuro!

  12. PRINCÍPIOS VÁLIDOS PARA O” NOSSO TEMPO”, CUJOS VALORES BÁSICOS DA VIDA DESEJADA E EQUILIBRADA ESTÃO TÃO ESPARTILHADOS…
    AAbreu
    25/ 02

  13. Obrigada por terem “trazido” esta carta para Portugal. Num tempo de tanta futilidade é cada vez mais importante que lembremos os nossos filhos, a cada dia, dos valores nela contidos; do nosso valor enquanto pessoa.

    Fica apenas uma nota, também ela emportante nos tempos que correm: no segundo parágrafo da carta encontro a palavra “comecei” digitada com “ç”. Sugiro a correção do erro ortográfico.

    1. o melhor foi dar um erro no parágrafo em que corrigia o autor! grande risada, embora acredito que tenha sido um simples lapso 😉

    2. Penso não ser erro, mas sim defeito do apead, pois muitas vezes digito c e apareçe ç. Talvez a palavra aqui “emportante” tambem esteja sofrendo do mesmo erro, pois, aqui no Brasil, se esçreve importante e não emportante

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.