Rentrée. Mas de facto o ritmo alucinante que andamos hoje em dia dá que pensar.

A Rentrée. O primeiro dia é sempre aquele dia.

A Rentrée

“Mas de facto o ritmo alucinante que andamos hoje em dia dá que pensar.”

O período das férias é por excelência aquele que estamos mais perto de quem amamos, gostamos, e onde damos mais atenção aos mais pequenos que, seja pelo ritmo de vida acelerado que levamos hoje em dia, seja pela falta de tempo inerente à quantidade de trabalho a que estamos sujeitos. E é por isso tão importante neste período dar-lhes a atenção que precisam e que merecem nesta altura. Perceber como estão a crescer, e acima de tudo dar-lhes umas férias alegres, divertidas e tanto quanto possível dar-lhes autonomia para conviverem com a família ou amigos, e viverem tudo o que de bom o verão e as férias nos trazem.

Depois vem a rentrée.

Onde voltamos à realidade, voltamos a ter os pés assentes na rotina, da vespertina matinal cansada e malvada. Onde o tempo parece já não fazer sentido e onde num meio de um turbilhão de informação, E-mails, telefonemas e reuniões, metemos mãos ao trabalho. Para trás ficou aquela lembrança do último mergulho do ano. Do último abraço sem ter que pensar no que tenho de fazer ou por fazer. A sensação que tive quando regressei de férias foi de uma saudade grande da casa, de voltar ao lar, mas foi uma sensação que durou apenas um dia. Foi apenas no dia do regresso.

Hoje já assentei os pés, já me parece que nem fui de férias. Foi bom, sim, vim revigorado, sim. Mas de facto o ritmo alucinante que andamos hoje em dia dá que pensar. Passamos cerca de 343 dias do ano a voar, sem pensar, sem quase reagir a esta nuvem que andamos a viver, uma nuvem sem céu, sem sentido. Apenas nos 22 dias que conseguimos ter alguma paz e pensamos, bolas! Andei a voar. Nem o vi crescer, nem a vi sonhar ou contar quais são os seus problemas e angustias. A vontade que as vezes me dá é tornar as férias eternas enquanto alimentadoras de tempo, e a rentrée eterna enquanto sentimento de conforto, de cantinho nosso que sabe bem e sabe bem-estar com eles ou elas.

Escola, horário, professoras, atividades, livros, materiais, todo um manancial próprio da rentrée.

O primeiro dia é sempre aquele dia.

Aquele dia que eles (as) estão ansiosos (as) para começar algo de novo, uma turma nova, uma escola nova, um ano novo. Seja o que for é sempre um dia de muita angústia e de dificuldade em dormir na noite anterior. É sempre um dia especial. Rever os amigos, os professores, as auxiliares e toda a comunidade escolar. É muito importante sentirem-se seguros, calmos e bem-dispostos. Acho que as férias fazem tão bem! É um espaço onde se devem sentir felizes, soltos e responsáveis ao mesmo tempo, sabendo que quando voltam têm de cumprir com os seus deveres enquanto alunos e alunas.

Este tempo de paragem é saudável e cada vez mais raro. Este tempo de paragem faz-nos pensar a todos e faz-nos sonhar. Faz-nos fazer planos, com tempo, com calma e ponderação para uma excelente rentrée.

Espero que todos tenham aproveitado para se revigorarem e desejo a todos uma boa rentréeneste próximo ano de trabalho.

40 anos, casado, pai de 2 filhas, diretor de comunicação e sustentabilidade da APSA – Associação Portuguesa de Síndrome de Asperger.

Somos uma associação de afetos, como diz a presidente da APSA, uma pessoa fora de série como há poucas nesta vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.