Equinócio da primavera. A história de Ostara e o coelho da Páscoa

Equinócio da primavera. A história de Ostara e o coelho da Páscoa

Equinócio da primavera. A história de Ostara e o coelho da Páscoa

Por aquilo que se pode dizer o equinócio da primavera é um ponto de viragem, de renascimento.

Quando a luz escura desvanece e o sol morno renova a paisagem. As cores monótonas de inverno são gradualmente substituídas por verdes e amarelos e, em certos sítios, arrastam o branco da neve para pintarem levemente as margaridas a desabrochar. Esta ocasião, que para muitos é de louvar, marca o início da Primavera.

A celebração desta data remonta, no Ocidente, a épocas muito anteriores à do início do nosso calendário.

Tempos estes quando a Europa era regida por tribos (Celtas), divergentes em algumas tradições, mas convergentes numa região abundante e extensa. Por volta do séc. III a.c. testemunhou-se a expansão máxima destes povos occíduos, entrelaçando-se pelos cantos do velho continente chegando à Península Ibéria, Itálica e à Grã-Bretanha. Como é sabido, e foscamente difundido, os Celtas eram muito ligados à natureza, pelo que aprofundaram o seu conhecimento, observando a mesma e as suas nuances sazonais. Prolongo-me pela tradição celta com um intuito, e certamente, para quem não gosta de antropologia, deve achar que estes excertos aparentam desviar-se um pouco do assunto mas lá chegaremos. A ligação forte entre estas tribos e os ciclos da natureza dera origem a inúmeras tradições, cada uma com celebrações e rituais muito próprios, relacionados com a estação do ano em que se encontravam.

Devido aos movimentos de translação e rotação terrestres existem duas fases num ano em que período diurno e o noturno se igualam.

A estes acontecimentos deu-se o nome de Equinócio. No dia 20 ou 21 de Março (dependendo do ano) celebra-se o primeiro equinócio, denominado (por estes povos) Ostara – O equinócio da primavera. A vida abandona o seu estado de letargia, e o Inverno perde o seu poder perante a dinâmica recém nascida da Primavera.

Eoster ou Ostara

A palavra Ostara tem origem anglo-saxã, e significa “Sol nascente”. Eoster ou Ostara, era declarada a deusa da fertilidade na mitologia nórdica e germânica, e do renascimento e do amor na mitologia anglo-saxã. O seu nome deu origem à palavra inglesa “Easter”, que significa Páscoa. Para estes povos esta ocasião de renovação e de mudança significava a retoma da agricultura e da caça, considerando então, esta, uma dádiva divina, e uma demonstração prática do equilíbrio das forças da luz primaveril e da escuridão invernal.

Ostara tinha como símbolo o coelho devido ao facto de ser um animal que se reproduz rápida e abundantemente. Associado a este festival também ocorria a decoração de ovos por força da crença na existência de um “ovo primordial” que teria sido chocado pelo calor do sol que chegava à terra nesta altura do ano, e que haveria dado origem a toda a vida terrestre. Com a expansão da religião cristã, a intenção de converter as tribos residentes era uma prioridade. Assim, a própria igreja desempenhava um papel de atenuação e quase de ultimato relativamente às celebrações pré-existentes. A cristianização da Europa teve como peça fulcral o aproveitamento das antigas tradições pagãs, de modo a haver uma assimilação mais rápida do Evangelho.

As celebrações nesta época remontam, como supracitado, há milhares de anos, e a sua continuação não tem fim à vista. Este é um período de renovação e mudança no que toca aos ciclos vitais da natureza. Para nós é tempo de tirar as galochas, ou a manta do colo, e apurar pensamentos, sair á rua e cheirar as cores novas.

No âmbito da educação somos um centro de explicações que se distingue claramente de todos os outros! Pretendemos, não só, formar bons alunos mas também jovens esclarecidos e competentes para tomarem decisões.

Mais do que uma marca associada a um espaço o nome HOW TO é um conceito! Um conceito pedagógico, aliado às tecnologias, que pretende transmitir o valor da aprendizagem e de como ela nos torna pessoa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Instagram did not return a 200.