Violência Juvenil em casais de namorados – Bates forte cá dentro!

Isto de falar sobre violência doméstica, assunto que nos toca fundo, deve ser escrito com as ideias assentes, sem dúvidas, de um modo circunscrito, balizado, incisivo, sem dar largas à especulação infantil que toca na parede mestra das liberdades e direitos, e a derruba. A leviandade com que se fala de violência é tão ou mais perigosa do que a violência em si, porque na minha opinião toca em dois pontos que não se encontram totalmente claros na cabeça de muita gente.
É muito fácil atribuir a culpa da agressão ao agredido, e neste campo são as mulheres a ganhar caminho contra outras mulheres, profícuas em proteger os homens, os filhos, os maridos, os irmãos, deitando por terra o longo e sinuoso caminho que entende a violência doméstica como consequência e não como causa.
Escrever sobre violência doméstica é perigoso. Ou o autor resvala para a autocomiseração e para a vitimização da mulher, fraca e oprimida, à mercê do macho viril qual inseto debaixo da sola, ou resvala para a culpa da mulher, que em todo o caso ‘mereceu’ a agressão, ‘estava a pedi-las’, ou calibra a violência de acordo com a situação, isto é, deixa a culpa onde o senso comum e o seu nível de preconceito se encontra melhor adaptado.
Quero com isto dizer que ou ficamos definitivamente do lado da mulher, mesmo que ela seja uma perdida, uma tonta, uma qualquer, ou lhe metemos as culpas, culpando-a por ser frágil, por perdoar, por se deixar bater, e por não reagir denunciando.
Nos caminhos que tracei como únicos (não podemos ser nim e nem Charlie) estou radicalmente do lado da mulher, mesmo que me aflorem raivinhas-de-dentes quando algumas ‘se põe a jeito’ dando uma segunda oportunidade ao agressor, mas isso sou eu a destilar o meu veneno anti-submissão, e esta derivação canina não me deixa lugar à violência, seja ela qual for, em qualquer dos casos.

Escrever sobre violência doméstica é perigoso.
Escrever sobre violência juvenil é um pântano.

As dúvidas sobre o que leva um miúdo a agredir a namorada eleva o problema a um outro patamar. Não é suposto que um miúdo com 18 anos seja alcoólatra, que esteja no desemprego, que sinta ganas de matar por ciúme, que tenha um historial frustracional capaz de partir para a violência gratuita, derivado de recalcamentos antigos, que sempre atribuímos à violência adulta.
A profundidade do pântano é desconhecida, não sabemos se a água podre se fica por ali, ou se vai desaguar em violência crescida, violência assumida, ao chegar a idade adulta.  É que vede, para mim a juventude é uma parede branca. Um inicio. Um maravilhoso inicio para tudo o que pode vir a ser, e a esperança que traz uma parede branca, imaculada, onde nos podemos perder em pinturas, quadros, estantes, ou apenas abrir nela um buraco e fazer uma janela, deve ser de todas a mais protegida. Manter a parede mestra de pé, urge. Sem parede ninguém pinta, sem parede vão-se os sonhos.
E as janelas.
A parede mestra [na violência juvenil] é aquela que divide o mais forte do mais fraco, o mais cool do mais totó, o mais abonado do mais endinheirado, o mais esperto do mais inteligente. É a que trava impulsos infantis do género tau-tau, do género filial, sem consequência ou consequência banal.  ‘Levas agora um estalo como me dava a minha mãe, que isso depois passa’. E nós a ver que não, que a raiva juvenil é como um animal acossado, e do estalo ao murro… enfim, já sabemos onde vamos bater com a cabeça.
A parede mestra que urge proteger é que evita a domesticação da violência.
O título do post: ‘bates forte cá dentro’ surgiu-me de forma espontânea quando tentava fazer a ligação entre o exemplo que retiramos diariamente dos reality shows (e das redes sociais que comentam este tipo de programas) e o aumento da violência entre namorados, por um lado, e esclarecer o leitor quanto a este meu conceito de ‘domesticação da violência’.
O que é isso de bater numa miúda em frente dos amigos? E na televisão?
O que leva um fedelho de 20 anos, que mal segura as calças nos ilíacos, a dar uma tareia na namorada, com instintos de macho alfa, entesuado por exemplos domésticos, quiçá inocentes, permitidos socialmente através das televisões e comentários na internet?
Que fraca parede foi esta, que inútil muro é este, que ao despontar da maturidade imberbe, como desponta a barba mal semeada, não foi capaz de evitar o caminho funesto da violência fortuita, experimentativa, curiosa, como o é a adolescência, e que ocupa todo o espaço da relação, caindo desamparado e deixando entulho suficiente para enterrar uma família inteira?
Poderia esculpir aqui uma teoria baseada no aumento da miséria humana, da pobreza, nas raízes secas desta gente, sem eira e nem beira, sem chão. Delinquentes, perdidos nesses bairros sociais, repletos de problemas irresolúveis, engolfados pelo sistema vigente, pobres também no espírito acomodado.
Mas cai-me por terra a parede que tento erguer entre a plebe cicatrizada e a classe menos vadia, entre o bairro social e a classe mediana do subúrbio nascido rente ao Centro Comercial, entre os mal formados e os pouco formados, entre os que se criam na rua sem muros e sem janelas, e os que se criam em casa, atrás de ‘janelas’, que partem muros e partem tudo.
Nas redes sociais não se distinguem. Escrevem todos pessimamente mal, cabeças de galinha e grandes unhas de gel apoiam com ternura um estalo bem dado a uma que já ‘andava a pedi-las’, e aplaudem a atitude correta e inevitável do namorado que deu um puxão de cabelos para dar a lição maternal, e para a ensinar ‘a ter juízo’.
Meninas, mas que é isso?
Quereis ser filhas ou mulheres?
E confundem-me, porque os que escrevem muito bem, os cultos, os interessantes, os participativos, também gostam de pancadaria, que eu bem os vejo… por aí.
Bates forte cá dentro! Pois parece que já nem o pudor e o cuidado de bater ‘como deve ser’ se fica entre quatro paredes.
E agora bates forte também cá fora!, bates forte nos comentários!, bates forte atrás do anonimato!, bates forte escondendo a cara!.
E bates forte na discoteca com um telemóvel a gravar o gajo a apertar-lhe o pescoço.

Foi-se a parede mestra.
Domesticou-se a violência.
E assim vai a juventude.
Como eu, que vim agora do Facebook, precisamente de uma caixa de comentários que comenta alarvemente a agressão ‘nada de especial’ de um rapazola à sua namorada da Casa dos Segredos, mãezinha do céu! o que para ali vai de apoio feminino ao rapaz que agrediu a miúda à chapada e de rapazolas cheios de tudo, nos peitos vazios.
Batem-me forte cá dentro, estes que no fundo andam é a bater muito mal!

Por Uva Passa, no Blog Uva Passa
autorizado para Up To Lisbon Kids®

imagem capa@dig.do

Todos os direitos reservados


Campanha contra a violência no namoro – Quem te ama, não te agride!
[youtube https://www.youtube.com/watch?v=yUzMM_2ZV5A]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.