Eu sou a mae

Eu sou a mãe

Eu sou a mãe…

Eu sou a mãe que anda com as unhas arranjadas, cabelo impecável e outfit de fazer inveja e sou a mãe que chega atrasada, de calças de ginástica, cabelo oleoso e camisa manchada (e a mancha pode ser de restos de comida ou excreções de um mini corpo humano).
Eu sou a mãe que amamenta feliz e sou a mãe que se levanta a resmungar por ter de dar de mamar.
Eu sou a mãe que cozinha tudo em casa e uso ingredientes orgânicos e sou a mãe que vai buscar fast food por pura e absoluta preguiça.
Eu sou a mãe que se voluntaria para ir ao passeio da escola a acompanhar a turma dos meus filhos e sou a mãe que se esqueceu de mandar o lanche do filho.
Eu sou a mãe que vai ao parque infantil e inventa brincadeiras e sou a mãe que põem os filhos em frente à televisão para ter uns minutos de sossego.
Eu sou a mãe que conta até 10 e mantém a calma e sou a mãe que tem ataques histéricos e se transforma em Hulk.
Eu sou a mãe que dá ao filho a última e melhor colherada da sobremesa e sou a mãe que se escondeu a comer chocolates para não ter de partilhar.
Eu sou a mãe que conta os segundos para pôr os miúdos na cama a horas e sou a mãe que borrifa para as horas porque me apetece dar-lhes (ainda) mais mimo.
Eu sou a mãe que trabalha, cuida da casa e dos filhos e sou a mãe que, às vezes, não tem forças sequer para sair do sofá.
Eu sou a mãe que mantém a lucidez mesmo em situações enlouquecedoras e sou a mãe que grita com os filhos por “dá cá aquela palha”.
Eu sou a mãe que cede a “mais 5 minutinhos” e sou a mãe que obriga os filhos a cumprir uma ordem quando mando e com tolerância zero.
Eu sou a mãe perdida que às vezes precisa de conselhos e sou a mãe que dá abraços apertados e conforta os filhos.
Eu sou a mãe que faz cabanas na sala e sou a mãe que finge estar a dormir só para não ter que responder.
Eu sou a mãe que salva os filhos de quedas e apanha-os no ar e sou a mãe que já perdeu os filhos de vista em pleno parque temático.

Eu sou estas mães todas e muitas outras. Muitas vezes sou várias num só dia.

Talvez me tenhas visto no meu melhor momento e tenhas acreditado que eu sou uma mãe exemplar, com tudo sob controle.
Talvez me tenhas visto num momento mau e tenhas achado que sou a pior mãe do mundo.
É indiferente. A vida não é perfeita. As mães não são perfeitas. Os filhos não são perfeitos.
Todas nós já estivemos dos dois lados. Um momento ou um dia não define ninguém.

Caso precises que te digam: és uma excelente mãe e estás a fazer um fantástico trabalho.

Por um mundo com menos dedos indicadores, e mais “eu sei que é difícil”!

 

 

Por Rafaela Carvalho, em A.Maternidade, adaptado por Up To Kids®

imagem@wildflowerphotos

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.