super-pais e super-filhos

A corrida da parentalidade. Super-pais e super-filhos

Super-pais e super-filhos?

Atualmente, muitos pais, parecem viver pressionados para ser super-pais e ter super-filhos. As agendas de adultos e das crianças são exigentes, demasiado preenchidas. Os dias correm a velocidades estonteantes. A pressão para se ser o melhor e alcançar o máximo parecem toldar muitos pais, levando-os frequentemente a entrar em espirais de desgaste emocional e exaustão, afastando-os do foco – os laços emocionais. Parece que o modo piloto-automático se apodera das famílias, fazendo-as vaguear pelos dias, desligadas da realidade.

Reconhecer a exaustão e desgaste emocional na parentalidade

A parentalidade, independentemente da idade das crianças, exige atenção todos os dias, todas as horas… Os fatores de stress na vida de um ser humano são múltiplos e todos eles podem contribuir para aumentar a vulnerabilidade para o desgaste emocional, que somando às variáveis filhos, carreira e família alargada podem aumentar a vulnerabilidade e o efeito cumulativo do stress. A parentalidade em si exige muita calma, consciência e paciência. Mas há períodos, nos ciclos da família, que são mais exigentes. O início da infância, em que a criança apresenta níveis de dependência grandes, e a adolescência, com todas as suas idiossincrasias, são duas fases que exigem bastante dos pais. Acrescem como fatores de risco pais de crianças com necessidades educativas especiais, pais que percecionam não ter apoio, pais com doenças físicas e/ou mentais, entre outros….

Os sinais de exaustão e desgaste emocional decorrentes da parentalidade podem ser diversos, e em muito semelhantes ao burnout profissional: alterações no sono e no apetite, alterações de humor frequentes, irritabilidade fácil (por exemplo perante pedidos banais da criança), distanciamento emocional da criança, frustração constante no papel de pai/mãe, dificuldade na gestão das emoções, menor produtividade, maior cansaço físico e emocional… Vale a pena parar um minuto. Fechar os olhos. Respirar fundo. Olhar para dentro. Estes sinais andam a pairar?

Vamos manter o Burnout Parental longe?

Procure…

  • Promover o tempo de qualidade em família, longe de tecnologias e de tarefas domésticas ou pendentes de trabalho. Foco na qualidade do tempo passado em família, mais do que na “quantidade” de tempo.
  • Cuidar das necessidades individuais. Privilegiar o auto-cuidado, ou seja, cada pai/mãe deverá encontrar uma janela temporal na sua semana para uma pausa, para realizar uma atividade que lhe dê prazer, sem que a culpa seja companhia. Uma corrida, uma aula de pilates, umas páginas de um livro na esplanada, uma massagem… Encontrar espaço na agenda para que o pai/mãe cuide de si próprio e encontre formas de gerir o stress.
  • Recorrer quando necessário a uma rede de suporte, como família alargada ou amigos. Esta rede de suporte pode ser um apoio para a janela temporal do auto-cuidado ou mesmo no sentido de partilha de dúvidas, emoções e pensamentos associados à parentalidade.
  • Evitar comparações com outros pais. Cada criança é uma criança única e especial e cada família é única nas suas dinâmicas e características. Aquilo que funciona numas famílias, pode não funcionar noutras.

Cuide de si. Cuide da sua família. Encontre momentos para abrandar…

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.