A mãe que quero ser

A mãe que quero ser

A mãe que quero ser

Há uns tempos vi escrito algures “quero que quando o meu filho tenha um problema, diga «tenho de ligar à minha mãe» em vez de «a minha mãe vai-me matar»”.

E acho que isso resume por completo o tipo de relação que quero que a minha filha tenha comigo.

Sabe muito bem os valores que lhe passei, mas não quero que o seu primeiro instinto seja o de ter medo de ser julgada e sim a certeza de que, aconteça o que acontecer, estamos juntas.

Tenho estado a seguir uma série em que um filho comete um erro e o seu pai, homem com um cargo importante e com poder de decisão, dá por si a contornar os seus próprios princípios para salvar o filho. Faz-me perguntar muitas vezes o típico “ e se fosse comigo”.

Não sei, acho que nenhum de nós sabe. E muitas vezes, basta ligar a televisão ou olhar em volta, e temos tantas coisas a acontecer a pessoas de bem, dramas familiares que nos põe de barriga às voltas.

A única coisa que sei é que o meu amor pela minha filha é inabalável.

O que não significa que seja cego e que num eventual caso em que cometa um enorme erro, eu seja aquela pessoa que faz com que não seja culpabilizada porque o meu amor é gigante. Acredito que não, acredito que amar não é evitar sofrimento, é dar a mão e apoiar o possível quando ele acontece e vai acontecer em várias escalas.

Quero, efectivamente, ser a mãe a quem a minha filha recorre. Quero que me ligue quando lhe partirem o coração. Que converse comigo quando houver a possibilidade de a sua vida mudar numa direcção, ou noutra. Que esteja à vontade comigo para me dizer que fez uma coisa que sente arrependimento e precisa da minha ajuda para saber o que fazer a seguir.

Quero, acima de tudo, que saiba que estou aqui.

E que atenderei sempre as suas chamadas. E que irei sempre ao seu encontro. Que a acompanharei sempre que precisar. E que compreenderei quando procurar a ajuda noutros lugares porque as mães nem sempre são quem queremos ter ao nosso lado (tantas vezes um disparate, porque nos salvariam muito melhor e mais facilmente…).

Quero que a minha filha seja feliz. E sei que a felicidade é um carrossel. E estou aqui para a ver nas subidas e descidas.

Estarei aqui sempre.

MÃE DE UMA MENINA, É PARA E POR ELA QUE ESCREVE SEMANALMENTE, PASSANDO PARA PALAVRAS OS MAIORES SEGREDOS DO VERBO AMAR.

Autora orgulhosa dos livros Não Tenhas Medo e Conta Comigo, uma parceria Up To Kids com a editora Máquina de Voar, ilustrados por aRita, e de tantas outras palavras escritas carregadas de amor!

Em que é que está a pensar?

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.