quem tem uma boa mãe

Quem tem uma boa mãe tem uma herança para a vida

“Mãe!” é a palavra mais dita em todo o mundo (aposto)

Eu, que já passei dos trinta, continuo a chamar pela minha mãe quando estou feliz, triste, desanimada, desesperada, sem rumo, quando recebo boas notícias, quando não sei de alguma coisa, quando preciso apenas de falar.

E é por isso mesmo que ainda que seja exasperante compreendo a minha filha, que repete o meu título honorário como se não houvesse amanhã.

Mas, afinal, para que servem as mães?

Dizem que ter filhos é andar com o coração fora do corpo. Por essa linha de raciocínio há um coração que nunca se sente completo, porque o corpo onde ele foi gerado inicialmente tem de viver sem ele, à margem dele.

Daí talvez esta relação próxima que existe com as nossas mães, a nossa com os nossos filhos.

Fomos feitos para sermos inseparáveis mesmo quando temos de seguir caminhos diferentes.

A nossa mãe é a garantia de que nunca estaremos sozinhos, mesmo quando ela já não estiver por perto. É a certeza que por mais que a vida nos derrube, haverá sempre aquela voz, do outro lado do telefone, mesmo à nossa frente, ou em memória, que nos garante que conseguimos dar a volta. Que somos capazes. Que ela vai torcer por nós.

Quem tem, ou teve um dia, uma boa mãe tem uma herança para a vida.

Tem um exemplo, tem um caminho já trilhado para ir tirando notas sobre o que fazer e o que evitar.

Tem um admirador número um, tem alguém que nunca o quis desiludir, mesmo quando não foi capaz de ser melhor.

Uma mãe nasce quando há a vontade de se ter um filho. E a partir daí a luta é conjunta. A corrida é feita de mãos dadas, a primeira vez que há um olhar, um toque, marca o início de um amor já palpável.

O amor entre uma mãe e um filho, por mais que se tenha tentado, é impossível descrever. Ainda está por inventar uma palavra que seja sinónimo da grandiosidade deste sentimento, desta forma de pertença, desta experiência cheia de altos e baixos em que por mais que haja falhas, nunca falha o amor.

Irei chamar a minha mãe sempre, enquanto tiver o privilégio de a ter por perto. E depois irei fazê-lo baixinho (como, confesso, às vezes já faço quando não estou preparada para lhe dizer algumas coisas).

E irei sempre responder ao chamamento da minha filha.

Porque não existe outra maneira de existir.

Afinal, sou mãe.

E mãe é mãe e basta.

image@weheartit

O M do seu nome passou a significar também M de Mariana, o nome da filha de quase três anos, e M de mãe, este sim verdadeiramente maiúsculo.
Guionista

Sonhava ser escritora mas, aos onze anos, uma professora de língua portuguesa garantiu-lhe que ninguém em Portugal jamais poderia considerá-lo uma profissão digna desse nome

1 thought on “Quem tem uma boa mãe tem uma herança para a vida
  1. que bom seria se fosse sempre assim. eu não tenho, ou teve um dia, uma boa mãe por isso não tive nem tenho uma herança para a vida, mas, sou mãe e certamente deixarei um bom legado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.