Obrigada por teres segurado a minha filha nos braços

Obrigada por teres segurado a minha filha nos braços

Querida Mãe, a quem não cheguei a ter tempo de perguntar o nome, hoje quero agradecer-te convenientemente.

Obrigada por teres segurado a minha filha nos braços.

Obrigada por naquele curto intervalo de tempo teres sido tu a mãe que esteve perto dela.

Eu tenho duas filhas, a que tu seguraste e a outra a quem eu estava a dar atenção. Foram 30 segundos apenas, o suficiente para o pior acontecer.

Vê-la no teu colo foi tão frustrante como confortante. Queria ser eu a estar por perto a segurá-la nos braços e a limpar-lhes as lágrimas. A dizer-lhe “está tudo bem” e a dar-lhe o beijinho mágico que faz desaparecer a dor.

Mas no momento em que corri aflita na tua direção eu vi nos teus olhos o que sofreste por ela, como a apertaste contra o teu peito, lhe deste um beijinho e me procuraste com tal angústia que me pergunto se já conseguiste ultrapassar o susto.

As poucas palavras que trocámos foram ditas com uma voz tremida, a minha e a tua. Não te conheço mas quero dizer-te que que já foste muito importante para mim.

Deves estar a perguntar-te que raio estava eu a fazer para não estar ali com a criança? A ajudá-la a trepar e a subir em segurança… sim, onde raio estava eu….

Bem, querida mãe, eu estava no parque não muito longe dela, a socorrer a mais velha. E a sensação de impotência no momento foi tão grande que as lágrimas me caiam da cara da raiva que sentia por não ter braços elásticos, quatro olhos e pernas super  rápidas.  Mas felizmente tu estavas lá.

Sei que é impossível impedir todas as quedas no parque, todos os trambolhões na rua, a subir um espaldar ou a andar de trotineta, sei que não posso estar em todo o lado a toda a hora, mas espero que em cada queda, a cada novo erguer as minhas filhas tenham sempre uma mãe por perto.

E porque todas nós somos um bocadinho mães de todas as crianças, acho que devo tranquilizar-te. Está tudo bem. Nem eu, nem tu poderíamos impedi-la de cair. Eu prefiro que ela tenha a audácia de tentar, do que o medo de não conseguir.

Querida mãe que aconchegaste a minha filha contra o teu peito,
Obrigada.

imagem@gettyimages

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.