um-brinde-as-mães

um-brinde-as-mães

Um brinde a nós, mães.

Um brinde a nós, mães.
Que nos desdobramos, que acumulamos tarefas, obrigações, roupas por passar, peças do puzzle por arrumar e “caraças que pisei o brinquedo pontiagudo!”.
A nós que temos casa, pessoas pequeninas e emoções para cuidar, para abraçar e para gerir, respectivamente, e tudo ao mesmo tempo.
A nós que temos noites que se confundem com dias de tanto rebuliço e preocupações e ranhos e tosses e xixis na cama. A nós que damos tanto, sem pedir nada em troca – um sorriso basta.
A nós que temos um trabalho de 24 horas por dia, que choramos às vezes na almofada o cansaço acumulado, para depois nos assoarmos com um bocado de papel e seguir em frente.
A nós que sabemos bem que o mais importante é o amor, a educação, as cócegas e brincarmos ao leão da selva, mas que não conseguimos viver na porcaria e que prolongamos as noites no meio da tábua de passar e a louça por arrumar.
A nós que vestimos calças para tapar os pêlos das pernas e “também não era preciso tanto desleixo, que raiva!”, mas não arranjámos trinta minutos entre os banhos, o levar e buscar, os jantares e o vomitado que nos obrigou a mudar a roupa da cama outra vez e a roupa toda.
A nós que às vezes não sabemos o que se passa no mundo porque o nosso mundo nos rouba o tempo todo e temos ali um livro à espera que o leiamos mas “vai ter de esperar”.
A nós que nem sempre temos a ajuda que precisamos, nem sempre temos coragem para a pedir, porque “ninguém tem de levar com o circo que montámos em nossa casa”.
A nós que queremos estar com bom ar, passear, sair, estar com pessoas, mas nem sempre temos como e “esta foi a vida que eu escolhi, por isso aguenta e espera, esses tempos virão”.
A nós que queremos ser melhores todos os dias e que sabemos que nem sempre o somos, nos culpamos, julgamos que piramos – às vezes sentimo-nos mesmo a endoidecer – mas sabemos que cá estaremos amanhã para a luta.
E que nos perguntamos como é que as nossas mães foram tão corajosas, aguentaram tanto e nem sequer estavam para aqui com estes mimimis todos.
Um brinde a nós, mães. Não temos de ser perfeitas, podemos pirar de vez em quando, chorar, ter pêlos por tirar, nem ter tempo para nos coçarmos. Um dia, conseguiremos equilibrar tudo. Um dia, até nos sobrará tempo. Mas sabem o que vai acontecer? Vamos ter saudades. Porque nesse dia, teremos ido levá-los ao comboio que os leva para a faculdade. Porque nesse dia, teremos ido ao casamento dela. Porque nesse dia, estaremos de regresso a nossa casa, depois do almoço de domingo em casa dele, e ele já não está na parte detrás do carro a cantar. E chegaremos a casa e o quarto que foi dele, e sempre será, estará vazio. Aí teremos tempo. A mais. E uma nostalgia que nos deixará um travo agridoce na boca. 
Um brinde a nós, mães. Aproveitemos tudo: a loucura, o mimo, as noites de colo sem fim. Eles por agora, não sendo (nunca são), são nossos.
Publicado originalmente em A mãe é que sabe.

LER TAMBÉM…

Maternidade; a grande filha da mãe

Há coisas que só as mães é que sabem

As mães também têm medo

 

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.