Palavras e ações são a chave para um mundo melhor.

Palavras e ações são a chave para um mundo melhor.

Palavras e ações são a chave para um mundo melhor.

Palavras, ai as palavras…

A elas, o vento leva. Grande verdade. Isto não significa que devemos ficar em silêncio. Não! Falar é importante. As palavras têm peso.

Mas devemos fazer mais do que falar.

Ajudemos as Crianças a verem que, sozinhos não somos nada, por isso, a dor do outro importa muito.

Ajudemos os Jovens a viver em solidariedade e compaixão, levando-os a refletir sobre a vida.

E ajudemos os adultos com quem nos relacionamos a ultrapassarem as suas dificuldades.

Façamos do mundo um lugar simples, onde cada um se sente peça da engrenagem, e não superior ao outro, credor de atenção ou devedor do que não é suposto.

Façamos por melhorar, lendo mais, estudando pedagogia e psicologia. Mudando as nossas práticas e os nossos gestos.

A congruência entre as palavras e as ações é a chave para um mundo melhor.

A “Empatia” não pode ser apenas uma palavra jogada aos ventos, mas um exercício diário.

Esta congruência não terá que ser plena, porque todos temos altos e baixos. A congruência entre bons valores e boas ações é uma meta de esperança.

Em cada um que sofre bullying, está o falhanço de todos, como em cada aluno desmotivado deve estar o falhanço de todos. Em cada um com pensamentos suicidas, está a responsabilidade de todos. E em cada Docente desmotivado, está o problema de todos. E essa noção de falhanço, esta noção de responsabilidade, pode ser o trampolim para melhorarmos. Tem que ser!

Esta melhoria pode ser potenciada com estas três estratégias:

1 – Observe à sua volta. Veja como estão as coisas. O que pode melhorar? E o que pode fazer? O que traz inquietação? Observe com calma.

2 – Escreva uma lista com cerca de 5 pontos que deseja melhorar, por exemplo:

  • a aplicação do seu educando;
  • a atenção dos professores;
  • a entre-ajuda aí em casa;
  • a comunicação escola-família;
  • a resiliência do seu filho;
  • a empatia dos seus alunos;
  • a atenção do cônjuge,…. etc.

3 – Liste ações concretas e informadas para serem feitas em direção ao objetivo. Coloque em prática, afinando e voltando a afinar.

Sempre que precisar, procure ajuda.

Se as palavras têm um efeito limitado, quando se referem apenas a manifestar intenções (de boas intenções,…), elas são poderosas quando se organizam num “preciso de ajuda”.

Gosto de iniciativas “sem tretas” e com alma. Como a Up to Kids, por exemplo.

A criação do Mundo Brilhante permite-me visitar escolas de todo o país e provocar os diferentes públicos para poderem melhorar. Agitamos. Queremos deixar marcas.

Concorda com este artigo? Deixe a sua opinião!

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.