Sinais de dependência da internet e de vídeos em crianças e jovens

Sinais de dependência da internet e de vídeos em crianças e jovens

Dependência da internet e de videojogos em crianças e jovens

Embora não se possa negar inúmeros benefícios da internet, as consequências negativas do seu uso excessivo estão cada vez mais a ser discutidas a nível mundial. A dependência de internet é um transtorno para controlar os próprios impulsos. A pessoa não consegue desligar-se da rede por sua iniciativa passando horas seguidas em frente ao computador. Se para um adulto é difícil controlar o impulso de ver os emails, de ver se tem um comentário novo nas redes sociais, iniciar ou manter uma conversa online, imagine-se o quão difícil  será para uma criança, principalmente se não tiver a supervisão de um adulto.  Alguns pais referem que os filhos chegam a ficar oito horas ou mais na internet.

Atualmente os jogos podem ser usados em diversos dispositivos como computadores, telemóveis ou outros. É fácil de constatar que criança desde cedo apresenta um fascínio pelos dispositivos eletrónicos.

O jogar é um comportamento saudável, inclusive desejável para uma criança estimulando positivamente o seu desenvolvimento, nomeadamente, a nível cognitivo, social e psicológico.

Todavia, o uso da internet e dos vídeos passa a ser patológico quando, em vez da criança estar envolvida no mundo real, dedica parte do seu tempo aos jogos/internet, isolando-se dos pares e família,  minimizando o contacto face a face com os outros.

Quais os sinais de dependência da internet e de vídeos em crianças e jovens?

  • Perder a noção do tempo enquanto estão online;
  • Evitar com frequência compromissos;
  • Perder o interesse em participar noutro tipo de atividades, que não estejam relacionadas com os jogos online, nomeadamente com a família ou amigos;
  • Tornar-se agitado ou agressivo quando os jogos online são interrompidos;
  • O caráter da criança muda, tornando-se irritável e sujeito a mudanças de humor repentinas. Ela mostra menos interesse nas relações sociais e age de forma ausente e distante durante atividades grupais.
  • Apresentar sintomas de abstinência quando os jogos são retirados;
  • Desobedecer aos limites que foram estabelecidos para a utilização da internet;
  • Mentir aos membros da família o tempo despendido online;
  • Criar relacionamentos com pessoas que apenas conhecem online;
  • Não se deitar a horas e de manhã parecem exaustos;
  • O seu desempenho escolar e os seus relacionamentos sociais deterioram-se acentuadamente.

O meu filho poderá ser suscetível de desenvolver dependência da internet/jogos?

O acesso à internet muitas vezes, é uma forma de evasão da realidade, ou seja, uma forma de obtenção de prazer, distração e alívio de problemas. Deste modo, as crianças que revelem competências sociais deficitárias e dificuldades nas estratégias de coping são consideradas uma população em risco de desenvolver hábitos excessivos de utilização da internet e de videojogos.  Isto deve-se ao facto de se sentirem sentem sozinhas e com dificuldade em fazer amigos. Deste modo, recorrem  à internet onde dirigindo a sua atenção para pessoas desconhecidas, procurando a atenção e companheirismo que faltam nas suas vidas “reais”.

Aconselha-se a que os pais estejam atentos a qualquer mudança de comportamento da criança, monitorizando com frequência as páginas visitadas e acima de tudo imponham regras quanto ao número de horas que ela pode passar ao computador/telemóvel.

Estratégias para pais:

Na área da educação, o melhor remédio é a prevenção. É recomendável que fique perto de seus filhos desde o início para que  possa oferecer-lhes informações  sobre como usar essas novas tecnologias corretamente minimizando os riscos de um uso inadequado por parte da criança.

  • Definir limites diários e supervisione com frequência o seu filho;
  • Ensinar seus filhos sobre como usar a internet de forma construtiva. Informe-os sobre o quão importante é proteger suas vidas privadas e evitar a publicação de fotografias pessoais nas redes sociais.
  • Falar sobre os riscos da internet/jogos para possa ajudá-los a perceber quando algo está errado. A comunicação melhora as relações familiares e a saúde emocional dos membros da família;
  • Manter computadores fora do quarto e evitar o uso do telemóvel na cama;
  • Permitir que o acesso à internet e aos jogos sejam uma recompensa. (Por exemplo, comer com a família para poder jogar e não o contrário;
  • Permitir o acesso à internet e aos jogos após as crianças realizarem as suas responsabilidades (Por exemplo,  arrumar o quarto);
  • Verificar se os jogos online não são a principal atividade lúdica;
  • Conhecer os nomes de utilizador e passwords do seu filho/a, nomeadamente em redes sociais;
  • Verificar o histórico do computador do seu filho/a, para minimizar os riscos associados à utilização da internet e/ou ativar o controlo parental no computador;
  • Encorajar o seu filho/a estabelecer relacionamentos com os pares.

Caso o seu filho/a manifeste alguns dos sinais de alerta acima mencionados, não hesite em contactar um Psicólogo que possa avaliar a situação e aconselhá-lo.

 

A Psicologia da Educação é mais do que uma profissão para mim, é uma paixão, que me acompanha desde cedo. A psicologia foi sempre a minha única opção.

Em todo o processo de intervenção trabalho sempre com os pais, professores e a criança. Para mim faz-me todo o sentido. Juntos somos uma Equipa mais forte que permitirá à criança ser o melhor que puder.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.