Um filho é para sempre

Num dia tão solarengo como o de hoje, uma amiga que estava grávida ergueu os olhos e declarou: “nunca mais vou estar sozinha”.

Foi um misto de conclusão assustadora com um sentimento encantador. Era verdade na altura e será sempre.

Sei que desde que a minha filha nasceu a minha vida mudou completamente. Todas as decisões que tomo têm de ter em conta não apenas a minha vontade, mas também as consequências que trarão para a vida dela. E é, de facto, assustador. Como podemos ter a certeza de que estamos a seguir o caminho certo? Uma pequena escolha pode determinar tanta coisa… Não sabemos, nunca saberemos, mas decidimos o melhor que sabemos, que conseguimos.

Ainda estamos a crescer. Ainda temos tanto para aprender e os nossos filhos são o veículo de uma das maiores aprendizagens. Vão fazer-nos pôr em causa as certezas absolutas que temos, aquilo que pensávamos em relação ao mundo e, tantas vezes, em relação aos nossos próprios pais. Tantas vezes ouvi a minha mãe dizer “filha és, mãe serás”. Hoje percebo-a como nunca e respeito e admiro todas as decisões que os meus pais foram tomando. Melhores ou piores, na altura tinham de ser tomadas.

Vou cometer erros. Vou ter mais paciência para umas coisas do que para outras. Mas espero que o saldo seja positivo.

Li algures que nada mata tanto os sonhos de uma criança como os seus pais. Temos de saber respeitar a criança que está diante de nós, que continuará a existir dentro do adulto que os nossos filhos serão. Perder a magia, perder os sonhos, é perder o rumo. Às vezes esquecemo-nos de brincar. Somos tão sérios que quebramos a proximidade com as crianças, fazemos com que cresçam no seu mundo, com que procurem outros abrigos. E é importante sermos o abrigo principal, sermos vistos como tal – mesmo que demore, mesmo que haja alguns anos em que parece que os amigos dos nossos filhos viraram a sua verdadeira família… Ou que essa função seja desempenhada pelas namoradas! É preciso dar asas para voar, manter as portas abertas, ser tolerante e forte, porque haverá alturas em que custa, em que não é fácil não ser a primeira escolha – mas todos passámos por isso enquanto filhos e é essencial que nos lembremos disso enquanto pais.

Um dia, quando a minha filha for crescida, espero que sinta que foi respeitada, ouvida, amada. Porque, mais ou menos presentes, faremos parte da vida uma da outra. Para sempre. E que bom que é.
Por Marta Coelho,
para Up To Lisbon Kids®

Todos os direitos reservados

imagem@gisele bündcheninstagram

Revista digital destinada a pais e educadores de crianças incríveis! 😀
Digital Magazine , Up To KIds

Contamos com mais de uma centena de especialistas que produzem conteúdos na área da saúde, comportamento, educação, alimentação, parentalidade e muito mais.  Acreditamos em Pais reais, com filhos reais. 

Gostou deste artigo? Deixe a sua opinião!

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Verified by MonsterInsights