Velocidade de processamento na criança: O meu filho é lento!

Velocidade de processamento na criança: O meu filho é lento!

Velocidade de processamento na criança: O meu filho é lento! O que posso fazer para ajudar?

6 dicas para ajudar o seu filho a aumentar a velocidade de trabalho e a velocidade de
processamento

Ter uma velocidade de processamento lenta não significa que sejamos menos inteligentes. Apenas que demoramos mais tempo a realizar uma determinada tarefa mental, como ler, escrever, fazer contas ou por exemplo, manter um diálogo. No entanto, apesar desta dificuldade não ter nada que ver com falta de inteligência, tem impacto nas diferentes etapas da aprendizagem. 

Dito isto, é importante que tenhamos igualmente presente que, identificar uma criança com manifestas dificuldades na velocidade de raciocínio nem sempre é fácil na medida em que os respetivos sinais muitas vezes não são óbvios. Há crianças que não seguem instruções ou, por exemplo, não respondem às perguntas dos professores na sala de aula e isso não significa que apresentem obrigatoriamente dificuldades na velocidade de processamento. Cada caso é um caso.

As disfunções ao nível cognitivo podem ter origens diversas.

Todos nós conhecemos crianças que demoram mais tempo do que o expectável a concluir os trabalhos de casa ou a escolher entre duas coisas qual a mais desejada. 

Estes comportamentos são comuns, mas se se tornarem recorrentes e padronizados, deverão ser analisados com outro cuidado, porventura com a ajuda de um especialista. 
Mesmo na idade adulta, a velocidade de processamento pode ser melhorada. Eis os primeiros passos a dar caso desconfie que o seu filho tem esta característica:

1. Aprenda tudo sobre a velocidade de processamento

A velocidade de processamento é o ritmo a que o cérebro recebe informações e as processa, seja através de estímulos visuais – na forma de letras e números- seja a nível auditivo. Quanto mais dominar este tema maior capacidade terá de ajudar a criança a gerir as dificuldades. Procure informar-se. Conheça os sinais expectáveis para as diferentes idades de forma a melhor preparar-se para superar os respetivos desafios. A velocidade de processamento é um dos principais elementos do processo cognitivo e tende a refletir-se no desenvolvimento intelectual da própria criança.

2. Procure padrões

A informação mais valiosa que pode partilhar com terceiros é a que costuma ver com os seus próprios olhos em casa. Aprenda a encontrar padrões no comportamento do seu filho. Os sinais de velocidade de processamento lenta podem variar de tarefa para tarefa. Uma criança que processa a informação de forma mais lenta costuma desenvolver sentimentos de ansiedade e de stress e facilmente os demonstra no seu dia a dia. 

3. Descubra o que está a acontecer na escola

A escola pode ser uma grande fonte de informação. Marque uma reunião com o professor do seu filho. Partilhe as suas inquietações. Saiba quais as matérias que estão a ser lecionadas e dê conta dos seus receios relacionados com eventuais dificuldades que a criança apresente em casa.  
A troca de informações é fundamental para identificar as melhores estratégias para fazer face às necessidades da criança, em casa e na escola.   

4. Contacte com outras pessoas

Ao falar sobre o que está a acontecer com as pessoas em quem confia, poderá descobrir que, eventualmente, também elas vivenciaram algo semelhante. 

5. Transmita confiança à criança

As crianças podem sentir-se mal consigo próprias e até frustradas quando não processam a informação ao mesmo ritmo do que os colegas da turma. Diga ao seu filho que as suas dificuldades não têm nada a ver com falta de inteligência ou por não trabalhar o suficiente. Saber transmitir confiança é importante.

Os elogios, desde que no momento apropriado, podem contribuir para a construção de uma boa autoestima.
Para uma criança é algo muito positivo, por exemplo, sentir e ouvir a própria mãe dizer que aprendeu a respeitar a velocidade de processamento do seu filho e que já a consegue “saborear”.

Procure informar-se para nunca ser surpreendido. Por exemplo, se eventualmente a criança alguma vez usar a expressão “não consigo fazer” é essencial que saiba como reagir, mostrando as ferramentas corretas para a criança conseguir contornar o problema. Para tal é preciso estar bem informado sobre tudo o que envolve a velocidade de processamento lenta.

6. Saiba onde obter respostas

A única forma de saber com total certeza se o seu filho tem uma velocidade de processamento lenta é através de uma avaliação psicopedagógica. A maioria das escolas não dispõe de recursos para promover, por si só, essa avaliação. Os resultados obtidos confirmarão quais as dificuldades reais da criança, os seus pontos fracos e fortes e quais as terapias adequadas para cada caso concreto. Como qualquer competência cognitiva, a velocidade de processamento pode treinar-se e ser melhorada através do desenvolvimento de estratégias metacognitivas.

Se acha que é o caso do seu filho, procure ajuda!

O Centro SEI é um espaço dedicado ao desenvolvimento e à aprendizagem em todas as etapas da vida humana.

Somos uma equipa multidisciplinar de especialistas em dificuldades de aprendizagem (dislexia, disortografia, disgrafia e discalculia), dificuldades de atenção, hiperatividade e outros desafios do desenvolvimento.

Gostou deste artigo? Deixe a sua opinião!

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Verified by MonsterInsights