“Vivemos num inferno além do inferno.” dizem os pais de 3 crianças que viajavam no MH17

Casal Australiano passava férias com a família em Amesterdão e teriam mandado os filhos de volta à Austrália com o avô.

Foi esta notícia que me fez chorar hoje, à séria, como não o fazia há muito tempo. As lágrimas corriam-me sem controlo pela cara abaixo enquanto lia o comunicado da família. Talvez por ter três filhos, tal como o Antony e a Rin, com dois anos de diferença entre si. Rapaz, rapariga, rapaz. Talvez porque as hormonas da gravidez me tornam emocionalmente mais instável. Talvez porque, sei que, não conseguia passar pelo que este casal está a passar.

Costumamos dizer que nenhum pai deveria passar pela morte de um filho. Ninguém se lembra de tal fatalidade: perder três filhos de um momento para o outro.
Não imagino dor mais intensa.
Não desejaria a ninguém.
A ninguém.

Anthony Maslin e Rin Norris, perderam os seus três filhos quando viajavam com o avô materno, Nick Norris, no vôo MH17 da Malaysia Airlines que foi baleado no céu na quinta-feira passada.

Mo, 12, Evie, 10 e Otis, 8 – regressavam a casa depois de umas férias em Amesterdão, durante a interrupção letiva. Os pais, que era suposto regressarem no mesmo voo optaram por ficar mais uns dias de férias. A família iria reunir-se hoje.

Na primeira comunicação que Anthony Maslin e Rin Norris fizeram à imprensa dizem que ninguém merece passar pelo que eles estão a passar, Nem mesmo as pessoas que atiraram a nossa família toda pelo céu fora.”

A declaração da família, traduzida e transcrita abaixo, foi lançada através do Ministério dos Negócios Estrangeiros, esta tarde.

 

“Esta é uma mensagem para os soldados na Ucrânia, os políticos, os mídea, os nossos amigos e os nossos familiares.

A nossa dor é intensa e implacável. Vivemos num inferno além do inferno.

Os nossos bebes não estão aqui connosco – nós temos de viver com este ato de horror, todos os dias e a todos os momentos, para o resto de nossas vidas.

Ninguém merece passar pelo que nós estamos a passar.

Nem mesmo as pessoas que atiraram a nossa família toda pelo céu fora.

Não há ódio algum no mundo que seja tão forte quanto o amor que temos por nossos filhos, por Mo, para Evie, por Otis.

Não há ódio algum no mundo que seja tão forte quanto o amor que temos por Grandad Nick.

Não há ódio algum no mundo que seja tão forte quanto o amor que temos um pelo outro.

Isto é uma revelação que nos dá algum conforto.

Gostaríamos de pedir a todos que se lembrem disto quando tomarem algumas decisões que nos afetem a nós ou às outras vítimas desta tragédia.

Até agora, a cada momento, desde que chegamos, temos estado rodeados por familiares e amigos. Rezamos desesperadamente para que continuem a apoiar-nos, porque  esta expressão de amor é o que nos mantém vivos. Queremos continuar a saber sobre suas vidas, todas  coisas boas e as coisas más que se passam. Já não temos uma vida própria que queiramos continuar a viver. Por isso queremos aproveitar esta oportunidade para agradecer a todos os nossos amigos incríveis, família e comunidade que nos rodeia, e para dizer que vos amamos muito.

Também gostaríamos de agradecer às pessoas em DFAT; a coordenadora local Claire e muito sinceramente, Diana e Adrian de Haia, sem os quais não estaríamos aqui. Pedimos que os mídia respeitem a privacidade da nossa família e amigos –  a dor não é uma história.

sinceramente

Anthony Maslin & Marite Norris”

Fonte @Daily News

imagem@noticias.terra.br

article-2697087-1FBF8B3D00000578-158_634x440

 

Revista digital destinada a pais e educadores de crianças incríveis! 😀
Digital Magazine , Up To KIds

Contamos com mais de uma centena de especialistas que produzem conteúdos na área da saúde, comportamento, educação, alimentação, parentalidade e muito mais.  Acreditamos em Pais reais, com filhos reais. 

1 thought on ““Vivemos num inferno além do inferno.” dizem os pais de 3 crianças que viajavam no MH17
  1. Isto só acontece enquanto a Comunidade Internacional assim o permitir.
    Punição e represálias para estes bandidos, já. Sejam eles quem forem. E nós “adivinhamos” quem terá sido…

Gostou deste artigo? Deixe a sua opinião!

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.